Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5921
Title: Prevalência de sífilis, conhecimentos e fatores comportamentais em jovens do Exercito Brasileiro, Brasil 2007
metadata.dc.creator: Ribeiro, Denis
Keywords: jovens;homens;doenças sexualmente transmissíveis;sífilis;conhecimento;comportamento;youth;men;sexually transmitted diseases;syphilis;knowledge;behavior
Issue Date: 12-Jul-2010
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: RIBEIRO, Denis. Prevalência de sífilis, conhecimentos e fatores comportamentais em jovens do Exercito Brasileiro, Brasil 2007. 2010. 115 f. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Doenças Infecciosas) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.
Abstract: Os objetivos deste estudo foram determinar a prevalência de sífilis (positividade do teste treponêmico) por região geográfica, descrever conhecimentos e fatores comportamentais relacionados às DST, em conscritos do Brasil. Foi realizado um estudo transversal com os conscritos que se apresentaram para seleção nas Forças Armadas do Brasil, no ano de 2007. Os jovens responderam a um questionário autoaplicável contendo informações sociodemográficas, sobre prática sexual, uso de preservativo, ocorrência de sinais e sintomas de DST e coletaram amostra de sangue para realização de teste treponêmico para sífilis. Um total de 35.460 conscritos responderam ao questionário e, destes, 75,5% já havia mantido relação sexual. A prevalência de sífilis foi 0,53% (IC95% 0,45%-0,61%) e por região geográfica: Norte (0,85%), Nordeste (0,82%), sendo quase o dobro da região Centro-Oeste (0,49%) e, mais que o dobro das regiões Sudeste (0,34%) e Sul (0,26%). Foram associadas com a sífilis: ter 17 anos de idade [OR=1,3 (IC95% 1,05-1,73)], ensino fundamental [OR=1,5 (IC95% 1,03- 2,22)], morar nas regiões norte/nordeste [OR=1,2 (IC95% 1,04-1,36)], relatar história de DST [OR=2,7 (IC95% 1,03-6,99)], ser HSH [OR=4,5 (IC95% 2,59-7,81)], e relato de antecedente de úlcera genital [OR=2,6 (IC95% 1,59-4,26)]. As variáveis associadas a menor escolaridade (até oito anos de estudo) foram: ter 19 ou 20 anos [OR= 1,2 (IC95%: 1,18-1,32)], afirmações errôneas sobre a transmissão de DST, tais como: ingestão de alimento contaminado [OR= 2,2 (IC95%: 1,96-2,55)], tomar banho em rios/praias [OR= 1,5 (IC95%: 1,27-1,88)], picada de mosquitos [OR= 1,5 (IC95%: 1,38-1,65)] e, início de atividade sexual antes dos 14 anos de idade [OR= 1,4 (IC95%: 1,33-1,55)]. As variáveis com associação negativa foram: autodeclarado branco [OR= 0,9 (IC95%: 0,82-0,91)], 10 afirmações corretas sobre a transmissão das DST, tais como: compartilhamento de seringas e agulhas [OR= 0,7 (IC95%: 0,62-0,78)], transmissão da mãe para o filho, no parto e na amamentação [OR= 0,6 (IC95%: 0,58-0,69)], uso de preservativo na última relação sexual [OR= 0,8 (IC95%: 0,71-0,85)], autodeclarado HSH [OR= 0,7 (IC95%: 0,60-0,92)], e reconhecimento do não uso do preservativo como aumento do risco de transmissão [OR= 0,4 (IC 95%: 0,37-0,51)]. Os programas educativos sobre DST devem ser dinâmicos e abrangentes, envolvendo adolescentes, pais e educadores, pois o conhecimento isolado das formas de transmissão das DST não é suficiente para plena proteção dos jovens.
The objectives of this study were to describe the prevalence of syphilis (positivity in the treponemal test) by geographic region and frequency of behaviors and symptoms related to STD and describe knowledge of military draftees related to STD. A cross-sectional study was performed with the draftees who attended the Brazilian Armed Forces in 2007. The young males answered a self-administered questionnaire on sociodemographic issues, sexual practice and condom use, occurrence of signs and symptoms of STD and had a blood sample collected for the treponemal test for syphilis. A total of 35,460 draftees answered the questionnaire and 75.5% of these had already had sexual intercourse. The overall prevalence of syphilis was 0.53% (95% CI 0.45%-0.61%) and by geographic region: North (0.85%), Northeast (0.82%), and nearly double the 11 Midwest region (0.49%) and more than double the Southeast (0.34%) and South (0.26%). Having 17 years old [OR = 1.3 (95% CI 1.05-1.73)], having completed primary education [OR = 1.5 (95% CI 1.03-2.22)], living in the north/northeast region of the country [OR = 1.2 (95% CI 1.04-1.36)], reporting a history of STD [OR = 2.7 (95% CI 1.03-6.99)], being MSM [OR = 4.5 (95% CI 2.59-7.81)], and reporting genital ulcer disease [OR = 2.6 (95% CI 1.59-4.26)] were associated with syphilis. Variables associated with lower education (up to eight years of education) were: being 19-20 years old [OR 1.2 (95% CI: 1.18 to 1.32)], STD transmission by eating contaminated food [OR 2.2 (95% CI: 1,96-2.55)], by bathing in rivers/beaches [OR 1.5 (95% CI: 1.27-1.88)], by mosquito bites [OR 1.5 (95% CI: 1.38-1.65)], and by having sexual intercourse <=14 years old [OR 1.4 (95% CI: 1.33-1.55)]. Variables were negatively associated: being white [OR 0.9 (95% CI: 0.82-0.91)], knowing that the infection was due to the sharing of syringes and needles [OR 0.7 (95% CI: 0.62-0.78)], mother-to-child transmission [OR 0.6 (95% CI: 0.58-0.69)], having used a condom in the last sexual intercourse [OR 0.8 (95% CI: 0.71-0.85)], MSM [OR 0.7 (95% CI: 0.60-0.92)], and knowing that having sex without condoms increases the risk of transmission [OR 0.4 (95% CI: 0,37-0,51)]. STD education programs must be dynamic and comprehensive; involving teens, their parents and educators, for isolated knowledge about ways STD transmission is not sufficient for full protection of young people.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5921
Appears in Collections:PPGDI - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Denis Ribeiro.pdf1.18 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.