Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5965
Title: Tuberculose e Doença renal crônica:aspectos epidemiológicos e clínicos da convergência de duas epidemias
metadata.dc.creator: Santos, Bárbara dos Reis
Keywords: Tuberculose;Doença renal crônica;Transplante renal;Tuberculosis;Chronic kidney disease;Kidney transplantation
Issue Date: 15-Oct-2012
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: SANTOS, Bárbara dos Reis. Tuberculose e Doença renal crônica:aspectos epidemiológicos e clínicos da convergência de duas epidemias. 2012. 117 f. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Doenças Infecciosas) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.
Abstract: Chronic kidney disease (CKD) is consider a pandemic. Subjects with CKD have an impaired immunologic system and are more susceptible to infectious diseases including tuberculosis (TB) - another global public health problem. Thus, subjects with CKD have a higher risk to TB and there are evidences that they also have a poor treatment outcome. This study aims to investigate the epidemiological and clinical aspects of CKD and TB convergence. RESULTS: Through a systematic review and meta-analysis we found a pooled prevalence of TB in kidney transplant recipients of 2.51% (95% CI = 2.17 2.85). In Espírito Santo state this prevalence was 1.54% (95% CI 0.71% 2.38%) and was associated with: prior TB history (OR = 40.71; CI 95% 2.54 651.84), number of infectious episodes (OR = 1.35; CI 95% 1.10 1.67) and use of sirolimus as initial immunosuppressive drug (OR = 41.40; CI 95% 2.59 660.31). The median of years for TB development after the transplantation in the same sample was four years. Among thirteen subjects with TB, eight had pulmonary disease, seven needed hospitalization and four died due to TB. Regarding the factors that differentiate the chances of abandonment and death from cure among Brazilian subjects with CKD were: age, alcoholism, AIDS, jail, kidney transplantation, previous abandonment of treatment, ray-X suspicious for TB and directly observed therapy. CONCLUSION: The challenges shown by the relationship between TB and CKD, since a higher prevalence until a poor treatment outcome, are enormous and our data strengthen the need of strategies to control TB with priority subjects with chronic non communicable disease like CKD
A doença renal crônica (DRC) já é considerada uma pandemia e indivíduos por ela acometidos possuem um sistema imunológico debilitado e são mais suscetíveis a doenças infecciosas e entre estas a tuberculose (TB) que também é reconhecidamente um problema global de saúde pública. Temos então que indivíduos portadores de DRC possuem um risco aumentado para a TB e com evidências de que por conta de seu estado de imunossupressão estes indivíduos também possuem um pior desfecho durante o tratamento. Dessa forma, este estudo pretendeu investigar aspectos epidemiológicos e clínicos da convergência da TB e DRC. RESULTADOS: Através de uma revisão sistemática e meta-análise encontramos uma prevalência agrupada de TB em indivíduos com DRC submetidos ao transplante renal de 2,51% (95% IC = 2,17 2,85). No Espírito Santo esta prevalência foi de 1,54% (95% IC 0,71% - 2,38%) e apresentou associação com história prévia de TB (OR = 40,71; 95% IC 2,54 651,84), número de episódios infecciosos (OR = 1,35; 95% IC 1,10 1,67) e uso de sirolimus na imunossupressão inicial (OR = 41,40; 95% IC 2,59 660,31). Ainda nesta população a mediana do tempo para o desenvolvimento de TB após o transplante renal foi de quatro anos e, entre os treze indivíduos identificados com TB, oito apresentaram doença pulmonar, sete necessitaram de hospitalização e quatro morreram em consequência da TB. Já os fatores que diferenciam as chances de abandono, óbito por TB e óbito por outra causa em relação cura no tratamento da TB, entre indivíduos com DRC no Brasil, foram os estratos etários; alcoolismo; AIDS; estar institucionalizado num presídio; estar sob a terapia de substituição renal transplante; retornar para o tratamento após abandono prévio; possuir um raio X de tórax suspeito para TB; e ter indicação ou ter realizado tratamento diretamente observado. CONCLUSÃO: Os desafios apresentados pela relação entre a TB e os indivíduos com DRC, que vão desde a alta prevalência até um pior desfecho para o tratamento, são imensos e nossos dados ajudam a reforçar a necessidade da implementação de estratégias para controle da TB direcionadas a determinados grupos populacionais, priorizando especialmente os portadores de doenças crônicas não transmissíveis como a DRC
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5965
Appears in Collections:PPGDI - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Barbara dos Reis Santos.pdf1.7 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.