Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6167
Title: Estimativa da taxa de emissão de sulfeto de hidrogênio em lagoa anaeróbia no tratamento de esgotos domésticos
metadata.dc.creator: Rodrigues, Augusto César
Keywords: Odor;Estação de tratamento de efluentes;Sulfeto de hidrogênio;Câmara de fluxo dinâmica;Lagoas anaeróbias;taxa de emissão
Issue Date: 26-Aug-2011
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: RODRIGUES, Augusto César. Estimativa da taxa de emissão de sulfeto de hidrogênio em lagoa anaeróbia no tratamento de esgotos domésticos. 2011. 80 f. Dissertação (Mestrado em Poluição do Ar, Recursos Hídricos, Saneamento Ambiental) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011.
Abstract: The population growth in agglomeration involves the increase of domestic wastewater produced. Treatment processes of domestic effluents often induce the production of malodorous gas. One of these gases is the hydrogen sulphide (H2S), one of main responsible for bad smell perception in the wastewater treatment processes. The hydrogen sulphide can be detected by human nose even at very low concentrations and at short time intervals. Hydrogen sulphide is toxic and at high concentrations, exposure can induce serious injuries and lead to death. In this context, it is important to study technologies able to control H2S emission. In this study, a dynamic flux chamber was used to determine H2S emissions from the anaerobic lagoon of Porta Canoa wastewater treatment plant, Serra-ES, Brazil. The H2S emission rate measured showed correlation with three meteorological, physico-chemical parameters measured: 64 % correlation with the dissolved H2S concentration in the lagoon liquid phase, 34 % correlation with the wind velocity. Springer, Lunney and Valsaraj (1984) and Mackay e Yeun (1983) model estimated lagoon H2S emission 3,4 times higher than the dynamic flux chamber
O crescimento das grandes cidades vem aumentando o volume de esgotos domésticos ao longo dos anos. O processo de tratamento desses efluentes domésticos freqüentemente pode levar à produção de vários compostos causadores de mau cheiro. Um desses compostos é o gás sulfeto de hidrogênio (H2S), principal causador de odor nesse tipo de tratamento. O sulfeto de hidrogênio pode ser detectado em concentrações extremamente baixas pelo olfato e em curtos intervalos de tempo e em concentrações superiores pode causar graves danos à saúde e levar até mesmo ao óbito. Nesse contexto, torna-se de grande importância o estudo de tecnologias para predição e controle da emissão desse gás. Neste trabalho utilizou-se uma Câmara de Fluxo Dinâmica (CFD) para determinação da emissão de sulfeto de hidrogênio na lagoa anaeróbia da estação de tratamento de esgotos de Porto Canoa Serra, ES. A taxa de emissão medida pela CFD mostrou correlação com parâmetros climáticos, físicos e químicos da região: 64% com relação ao sulfeto dissolvido na fase líquida e 34% com a velocidade do vento. Os experimentos quando comparados ao modelo matemático de Springer, Lunney e Valsaraj (1984) e Mackay e Yeun (1983) superestimou as emissões em 3,4 vezes
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6167
Appears in Collections:PPGEA - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Augusto Cesar Rodrigues.pdf1.51 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.