Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6486
Title: Economia solidária: princípios e contradições
metadata.dc.creator: Amorim, Andressa Nunes
Keywords: Economia solidária;Terceiro setor;Autogestão;Solidariedade;Socialismo;Solidarity economy;Third sector;Self-management;Solidarity;Socialism
Issue Date: 24-Sep-2010
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: AMORIM, Andressa Nunes. Economia solidária: princípios e contradições. 2010. 120 f. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Política Social) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.
Abstract: O propósito desta dissertação é analisar se as relações sociais atípicas da economia solidária convergem para a estruturação de um novo modo-de-produção não capitalista. Para isso o procedimento metodológico utilizado foi a pesquisa bibliografia a livros, periódicos, teses, dissertações, coletâneas de textos, além de dados de instituições oficiais como Ministério do Trabalho e Emprego e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dessa forma, buscou-se o estudo do movimento cooperativista europeu do século XIX e sua relação com o surgimento da Economia Solidária no Brasil, além da apresentação das diversas concepções teóricas de economia solidária marcadas por imprecisões e incompletudes, passando pelas contradições dos princípios norteadores da autogestão, da solidariedade e na ação concreta, sua relação com o do terceiro setor. A partir desse conjunto de elementos passou-se à análise da economia solidária como meio para a estruturação de um novo modo-de-produção não capitalista, suas limitações e as potencialidades da economia solidária enquanto espaço de formação política e construtora de uma nova sociabilidade. Observou-se que, ao longo da década de 1990 e, sobretudo nos anos 2000, houve uma explosão de novos grupos de economia solidária no Brasil, surgidos como conseqüência da crise estrutural do emprego, causado pela necessidade de elevação da remuneração do capital. Nesse cenário inspirados por princípios de solidariedade e autogestão os empreendimentos econômicos solidários vivenciam relações contraditórias seja diante de seus próprios princípios, seja pela ligação estreita com o terceiro setor através das entidades de assessoria e fomento, seja pela defesa de uma proposta anticapitalista somada à vivência na economia de mercado. Trata-se, portanto, de uma análise que considera os limites e as possibilidades da economia solidária a partir de suas contradições e sua potencialidade como motor de uma transformação sistêmica
The purpose of this essay is to analyze whether atypical social relations of solidarity economy converge for structuring a new mode of capitalist production. For this the methodological procedure used was the bibliography search books, journals, theses, dissertations, collections of texts, plus data from official institutions like the Ministry of labour and Employment and the Brazilian Institute of geography and statistics. Thus, empirical study of the European cooperative movement of the 19th century and its relationship with the emergence of solidarity economy in Brazil, besides the presentation of the various theoretical conceptions of solidarity economy marked by inaccuracies and incompletudes, passing by the contradictions of the guiding principles of self-management, solidarity and action, its relationship with the third sector. From this set of elements passed to the analysis of economic solidarity as a means of structuring a new mode of capitalist production, its limitations and potential of solidarity economy training policy and construction of a new sociability. It was noted that, throughout the 1990s and, in particular during the years 2000, there was an explosion of new groups of solidarity economy in Brazil, arising as a consequence of structural employment crisis, caused by the need to increase return on capital. In this scenario inspired by principles of solidarity and economic solidarity enterprises self-management experience conflicting relations is facing its own principles, whether through close liaison with the third sector through the Advisory and promotion entities, whether for the defence of a proposal anticapitalista combined with the experience in the market economy. This is an analysis that considers the limits and possibilities of solidarity economy from its contradictions and its potentiality as systemic transformation engine
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6486
Appears in Collections:PPGPS - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Andressa Nunes Amorim.pdf935.07 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.