Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6633
Title: Influência do espaçamento e densidade de hastes em café conilon conduzido com a poda programada de ciclo
metadata.dc.creator: Verdin Filho, Abraão Carlos
Keywords: Coffea canephora;Manejo;Número de plantas;Número de ramos ortotrópicos;Coffea canephora;Management;Number of plants;Number of orthotropic branches
Issue Date: 29-Mar-2011
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: VERDIN FILHO, Abraão Carlos. Influência do espaçamento e densidade de hastes em café conilon conduzido com a poda programada de ciclo. 2011. 68 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnica; Recursos Florestais) - Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre, 2011.
Abstract: Proper management through the use of new techniques has been paramount to the success of good productivity in the coffee culture conilon. Aiming to improve the information management now in place for the culture, related to the spacing of plants in the area and number of stems per plant per hectare, was introduced on an experimental research farm of C. canephora variety clonal Emcapa 8111, early maturity, at the Experimental Farm of Marilândia (FEM), Incaper Marilândia localized in the northern region of Espirito Santo. It was evaluated the yield and grading of grains through sieves in post-harvest. The statistical scheme used for both evaluations was a DBC with 12 treatments with four replications. The experimental plot was composed of eleven plants, all considered useful, where the data portion corresponded to the average evaluation of eleven plants. In the productivity study was carried out a joint analysis for the years 2008 and 2010, and individual analysis for the year 2009. Regarding the study of classification of grains through sieves in post-harvest, analyzed only in the year 2010, we used a split-plot analysis, and the plots had 12 treatments and for subplots by 7 ratings sieves (billy 12, and 11 and 10; boring 17, 15 and 13, and fundagem). The treatments were set taking into account the planting space and number of stems per plant specifications as follows: treatment 1 - 2.0 x 1.0 m spacing, with two stems per plant, producing 10,000 stems / ha; treatment 2 - 2.0 x 1.0 m spacing, with three stem per plant, producing 15,000 stems / ha; treatment 3 - 2.0 x 1.0 m spacing, with four stems per plant, producing 20,000 stems / ha; treatment 4 - 2.5 x 1.0 m spacing, with two stems per plant, resulting in 8000 stems / ha; treatment 5 - 2.5 x 1.0 m spacing, with three stem per plant, resulting in 12,000 stems / ha; treatment 6 - 2.5 x 1.0 m spacing, with four stems per plant, producing 16,000 stems / ha; treatment 7 - 3.0 x 1.0 m spacing, with three stem per plant, producing 10,000 stems / ha; treatment 8 - 3.0 x 1.0 m spacing with five stems per plant, producing 16,667 stems / ha; treatment 9 - 3.0 x 1.0 m spacing, with six stems per plant, originated 20,000 stems / ha; treatment 10 - 3.0 x 1.5 m spacing, with three stems per plant, resulting in 6667 stems / ha; treatment 11 - 3.0 x 1.5 m spacing with five stems per plant, producing 11,111 stems / ha; and treatment 12 - 3.0 x 1.5 m spacing, with six stems per plant, producing 13,333 stems per hectare. In the analysis of variance and comparisons between means studied, there are significant differences in most cases. Reducing the spacing associated with an increased number of stems per plant has a positive effect on productivity of coffee conilon cultivar Emcapa 8111, until the density of 20,000 stems per hectare, under the conditions studied. Under the conditions evaluated, in general, there is an increase in productivity, when it increases the number of stems within a plant density. The best treatment for the production, evaluated in the years 2008 and 2010 is spacing 2.0 x 1.0 conducted with 20,000 stems per hectare. There are differences in the classification screens at the different densities of plants and stems per hectare. In general, treatments with low plant density (3.0 m spacing between rows and 1.0 to 1.5 m between plants) show higher percentages of fundagem between the classification of sieves studied
O manejo adequado através do uso de novas técnicas tem sido de suma importância para o sucesso de boas produtividades na cultura do café conilon. Com o objetivo de aprimorar as indicações de manejo ora existentes para a cultura, relacionadas ao espaçamento das plantas na área e ao número de hastes por planta por hectare, foi introduzido um experimento de pesquisa em lavoura de C. canephora, variedade clonal Emcapa 8111, de maturação precoce, na Fazenda Experimental de Marilândia (FEM), Incaper localizada no município de Marilândia, região Norte do Estado do Espírito Santo. Foram avaliadas as produtividades e classificação de grãos por peneiras na pós-colheita. O esquema estatístico utilizado para ambas as avaliações foi num DBC, com 12 tratamentos com 4 repetições. A parcela experimental foi composta por onze plantas, todas consideradas úteis, onde o dado da parcela correspondia à média da avaliação das onze plantas. No estudo da produtividade foi efetuada uma análise conjunta para os anos 2008 e 2010, e análise individual para o ano de 2009. Quanto ao estudo da classificação de grãos por peneiras na pós-colheita, analisado somente no ano de 2010, foi utilizada a análise de parcelas subdivididas, sendo que as parcelas foram compostas pelos 12 tratamentos e as subparcelas pelas 7 classificações de peneiras (mocas 12, 11 e 10; chatos 17, 15 e 13; e fundagem). Os tratamentos foram montados levando em consideração o espaçamento de plantio e o número de hastes por plantas, conforme especificações a seguir: tratamento 1 espaçamento 2,0 x 1,0 m, com duas hastes por planta, originando 10.000 hastes/ha; tratamento 2 espaçamento 2,0 x 1,0 m, com três hastes por planta, originando 15.000 hastes/ha; tratamento 3 espaçamento 2,0 x 1,0 m, com quatro hastes por planta, originando 20.000 hastes /ha; tratamento 4 espaçamento 2,5 x 1,0 m, com duas hastes por planta, originando 8.000 hastes /ha; tratamento 5 espaçamento 2,5 x 1,0 m, com três hastes por plantas, originando 12.000 hastes/ha; tratamento 6 espaçamento 2,5 x 1,0 m, com quatro hastes por planta, originando 16.000 hastes/ha; tratamento 7 espaçamento 3,0 x 1,0 m, com três hastes por planta, originando 10.000 hastes/ha; tratamento 8 espaçamento 3,0 x 1,0 m, com cinco hastes por planta, originando 16.667 hastes/ha;tratamento 9 espaçamento 3,0 x 1,0 m, com seis hastes por planta, originado 20.000 hastes/ha; tratamento 10 espaçamento 3,0 x 1,5 m, com três hastes por planta, originando 6.667 hastes/ha; tratamento 11 espaçamento 3,0 x 1,5 m, com cinco hastes por planta, originando 11.111 hastes/ha; e tratamento 12 espaçamento 3,0 x 1,5 m, com seis hastes por planta, originando 13.333 hastes por hectare. Nas análises de variância e comparação entre médias estudadas, verificaram-se diferenças significativas na maioria dos casos. A redução do espaçamento associado ao aumento do número de hastes por planta tem efeito positivo na produtividade do café conilon, cultivar Emcapa 8111, até a densidade de 20.000 hastes por hectare, nas condições estudadas. Nas condições avaliadas, em geral, há aumento na produtividade, quando se aumenta o número de hastes dentro de uma mesma densidade de plantas. O tratamento mais adequado à produção, avaliado nos anos de 2008 e 2010 e o espaçamento 2,0 x 1,0 conduzido com 20.000 hastes por hectare. Há diferenças quanto à classificação por peneiras nas diferentes densidades de plantas e hastes por hectare. Em geral, os tratamentos com menor densidade de plantas (espaçamentos 3,0 x 1,0 m e 3,0 x 1,5 m) apresentam maior porcentagem de fundagem entre as classificações de peneiras estudadas
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6633
Appears in Collections:PPGPV - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Abraao Carlos Verdin Filho.pdf1.18 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.