Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6850
Title: OS ALUNOS COM AUTISMO NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL E OS MOVIMENTOS DE CONSTRUÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
metadata.dc.creator: SANTOS, E. C.
Keywords: Aluno com autismo;Ensino fundamental;Prática pedagógica
Issue Date: 18-Dec-2017
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: SANTOS, E. C., OS ALUNOS COM AUTISMO NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL E OS MOVIMENTOS DE CONSTRUÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
Abstract: Este trabalho se propôs investigar o movimento de construção de caminhos alternativos na prática pedagógica desenvolvida com crianças com autismo em turmas do 1º ano do ensino fundamental do município de Serra/ES. Apoia-se nos pressupostos da abordagem histórico-cultural, sobretudo nos estudos de Lev S. Vigotski sobre o desenvolvimento das funções psicológicas superiores e os processos mediados, enfocando o papel do outro no desenvolvimento humano e do ensino, com destaque para a busca de caminhos alternativos no planejamento da prática pedagógica de maneira a inserir as crianças com autismo na dinâmica educativa. Esta investigação seguiu os princípios teórico-metodológicos da pesquisa-ação e foi realizada em duas turmas de 1º ano de uma escola de ensino fundamental do município de Serra, enfocando particularmente as práticas pedagógicas orientadas para três crianças com diagnóstico de autismo. A pesquisaação seguiu diferentes etapas, todas elas desenvolvidas em conjunto com participantes do estudo: a equipe gestora, os professores regentes, a professora de Educação Especial, as estagiárias e as próprias crianças com autismo. Essas etapas envolveram: retomada e avaliação das práticas pedagógicas instituídas; momentos de estudo sobre o autismo e as práticas educativas; e busca por novas ações que possibilitassem avanços no desenvolvimento dessas crianças. Nesse percurso, o grupo participante da pesquisa foi se orientando para a busca de caminhos alternativos que permitissem às crianças com autismo se envolverem e serem envolvidas nos processos de ensino e de aprendizagem, especialmente no contexto da sala comum. Paulatinamente, a pesquisa foi apontando alguns aspectos fundamentais para a educação escolar dessas crianças: a aposta em suas possibilidades de aprender e de estabelecer relações significativas com adultos e outras crianças na escola, o que implicou também paciência, insistência, estudo e perseverança de acordo com o tempo das crianças; a definição de pessoas como referência para a criança com autismo, no intuito de permitir a criação de vínculo, pois isso possibilita que, aos poucos, elas se sintam mais seguras, acolhidas e dispostas a interagir com os outros; a colaboração de seus colegas no processo de apropriação de ações para a criança com autismo tornar-se aluno. No que diz respeito especificamente aos processos de ensino e de aprendizagem, constatou que as vias necessárias para que a criança com autismo conseguisse participar do processo de ensino envolveu, por parte da equipe participante da pesquisa: atenção especial aos alunos com autismo no 1º ano, devido às mudanças que ocorrem em sua vida escolar; mais tempo e explicação das atividades; organização antecipada do planejamento; direcionamento da fala diretamente para a criança; condução do aluno com autismo na proposta, fazendo com e fazendo para a criança; permissão para que a criança tente fazer sozinha as tarefas escolares; atenção às estratégias de inserção da criança no grupo. Nesse processo, ainda que se considerem as singularidades dessas três crianças, alguns avanços podem ser indicados: aumento das situações de participação voluntária nas atividades escolares; iniciativa para realizar determinada atividade, sabendo o que responder quando questionadas sobre assuntos que estavam sendo tratados próximo a elas; apropriação de conhecimentos escolares trabalhados nas turmas do 1º ano, por João, Marcos e Guilherme, cada um com sua maneira peculiar. Em relação à equipe de profissionais, a pesquisa-ação contribuiu para que eles acreditassem na possiblidade de aprendizado das crianças com autismo, investindo no estabelecimento de vínculo com elas, levando-as a fazer parte do grupo e buscando estratégias apropriadas para envolvê-las nas tarefas escolares.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6850
Appears in Collections:PPGE - Teses de doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_11738_Tese Emilene Coco.pdf932.48 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.