Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6926
Title: Crônicas dos Jovens na Periferia: Criminalização da Pobreza, Sociabilidades e Conflitos
metadata.dc.creator: OLIVEIRA, D. C. N.
Issue Date: 25-Jan-2018
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: OLIVEIRA, D. C. N., Crônicas dos Jovens na Periferia: Criminalização da Pobreza, Sociabilidades e Conflitos
Abstract: RESUMO O presente trabalho discute as sociabilidades e os conflitos intersubjetivos entre adolescentes e jovens na periferia de Vitória-ES. Desde os anos 1980, adolescentes e jovens (em geral, afrodescendentes e do sexo masculino) constituem o grupo mais vitimado pelos homicídios no Brasil. Nesse sentido, trata-se do segmento mais exposto às situações violentas. À vista destas coisas, dou um passo atrás do iníquo quadro de homicídios juvenis para refletir sobre os significados dos conflitos entre adolescentes e jovens à luz das dinâmicas de sociabilidade. A pesquisa tenciona transitar do contexto macro ao micro de análise, assim como deslocar o foco dos estudos sobre homicídios para os estudos sobre conflito. Não obstante, sob o ponto de vista macro de análise, examino o aspecto da criminalização das juventudes urbanas pobres, a qual possui raízes históricas nesta sociedade. Todavia, o alvo principal é refletir o que as pessoas fazem com o que fazem delas? . Isto é, a intenção é observar empiricamente a relação entre os constrangimentos estruturais e a forma como os indivíduos atuam em seu campo de possibilidades, a partir dos significados que atribuem às coisas em sua vida cotidiana. Parto de uma abordagem qualitativa, a qual utiliza como instrumentos narrativas de vida e grupo focal, bem como observação participante e questionários com perguntas abertas. Enfoco indivíduos na faixa etária de 14 a 26 anos, os quais estavam cumprindo medida socioeducativa de internação no âmbito do Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo e sujeitos com o mesmo perfil etário, porém moradores de bairros periféricos de Vitória, notadamente da região do bairro São Pedro. Dentre os significados analisados no que tange aos conflitos, destaco a construção social da masculinidade e as regras morais de conduta definidas pelos grupos para regularem a convivência. Em determinado contexto, os conflitos e, no limite, os homicídios são legitimados moralmente, em virtude da percepção de que se vive em um estado de guerra em que os outros são inimigos . Tem-se como resultado que a desconfiança intragrupo e entre grupos provavelmente sustenta o uso da violência. O contexto mencionado diz respeito à sociabilidade no domínio do comércio varejista de substâncias ilícitas, espraiado pelos bairros pauperizados da Região Metropolitana da Grande Vitória, o qual fomenta uma cultura ou um modo de ser agonístico. Por fim, enfatizo que em um mesmo contexto socioeconômico existem distintas formas de sociabilidade juvenil. Portanto, desde que comparo dois grupos, busco compreender quais são os fatores condicionantes para diferencialidade de percursos de vida, sobretudo no que se refere ao engajamento ou não em atividades ilícitas (arriscadas). Tais fatores são, basicamente, relacionados ao contexto familiar e escolar e a outras esferas de sociabilidade (como projetos sociais e igrejas) das quais os agentes participam, constituindo significados que orientam suas decisões. Palavras-chave: sociabilidade juvenil; conflito interpessoal; masculinidade; jovens; periferia urbana.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6926
Appears in Collections:PPGCSO - Dissertações de mestrado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.