Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7697
Title: PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Inga edulis Mart. POR ESTAQUIA E MINIESTAQUIA
metadata.dc.creator: C. B. Marciana
Keywords: 1;Plantas - Propagação;2;Árvores - Mudas;3;Hormônios ve
Issue Date: 26-Feb-2018
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: C. B. Marciana, PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE Inga edulis Mart. POR ESTAQUIA E MINIESTAQUIA
Abstract: As técnicas de propagação vegetativa, como a estaquia e a miniestaquia, constituem uma alternativa de superação das dificuldades na propagação sexuada. Em especial, de espécies que apresentam características peculiares, como o Inga edulis, de produção de sementes recalcitrantes. Desta forma objetivou-se com esta pesquisa analisar o potencial da estaquia e da miniestaquia caulinar e foliar como método de propagação vegetativa para Inga edulis sob influência de diferentes concentrações de hormônio de crescimento AIB (ácido indol-3-butírico). O material vegetativo utilizado na pesquisa foi coletado de plantas adultas, presentes no arboreto da área experimental do Departamento de Ciências Florestais e da Madeira (DCFM), no município de Jerônimo Monteiro - ES, e de plantas juvenis do minijardim clonal formado na mesma área. O experimento foi realizado em delineamento inteiramente casualizado, testando-se diferentes concentrações de AIB. No experimento de matrizes adultas testou-se estacas foliares e caulinares de matrizes adultas, utilizando sete concentrações de AIB (0, 1000, 2000, 4000, 8000, 16000 e 32000 mg Kg-1), sendo cinco repetições para as estacas foliares, e quatro para as caulinares, e, em ambos, cada unidade experimental foi formada por dez estacas. No experimento de matrizes juvenis testou-se miniestacas foliares e caulinares utilizando cinco concentrações de AIB (0, 1000, 2000, 4000 e 8000 mg Kg-1), com cinco repetições e cada unidade experimental continha oito estacas. O estaqueamento foi realizado em tubetes de 55 cm3 preenchidos com vermiculita expandida. Após 45 dias em casa de vegetação foi analisada a porcentagem de estacas e miniestacas vivas, com calo e enraizadas. Nas miniestacas foliares e caulinares de matrizes juvenis foi analisado também o número de raízes, o comprimento da maior raiz, a massa seca da parte aérea, massa seca de raízes e a massa seca total. As raízes das miniestacas caulinares foram guardadas e posteriormente digitalizadas em um scanner. As imagens foram submetidas ao programa SAFIRA para quantificação da área superficial, e diâmetro das raízes. Os resultados indicam que as estacas foliares e caulinares de matrizes adultas apresentaram baixo percentual de estacas enraizadas, com calo e de sobrevivência. Verificou-se que estes experimentos não apresentaram diferenças estatisticamente significativas para as variáveis analisadas em função das doses de AIB. As miniestacas caulinares e foliares de matrizes juvenis apresentaram 100% de sobrevivência, e percentuais de enraizamento acima de 70 e 85% respectivamente. Não houve efeito significativo para as variáveis analisadas nos tratamentos das miniestacas foliares. Nas miniestacas caulinares verificou-se que as diferentes concentrações de AIB não tiveram efeito significativo sobre o enraizamento, calosidade, sobrevivência, MSPA, MSR, MST e comprimento das raízes. A área superficial, o diâmetro e número de raízes foram significativamente influenciados pela adição da auxina. Constatou-se que a adição de 8000 mg Kg-1 AIB em miniestacas favorece raízes mais vigorosas e o enraizamento de miniestacas de Inga edulis pode ocorrer sem a utilização do AIB.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7697
Appears in Collections:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_11768_Dissertação MARCIANA 2018-Final.pdf2.21 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.