Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7852
Title: VARIABILIDADE GENÉTICA DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
metadata.dc.creator: BARBIERO, N. Z.
Keywords: diversidade;melhoramento genético;Manihot esculenta Crantz
Issue Date: 22-Feb-2018
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: BARBIERO, N. Z., VARIABILIDADE GENÉTICA DE GENÓTIPOS DE MANDIOCA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
Abstract: A mandioca (Manihot esculenta Crantz) é uma espécie alógama, monóica, com elevada capacidade de desenvolvimento em condições ambientais adversas, e constitui um alimento básico para mais de um bilhão de pessoas nos países tropicais. A diversidade genética desta espécie é ampla, e possui potencial como base de matéria-prima para uma série de produtos e contribuir para a transformação agrícola e crescimento econômico nos países em desenvolvimento. Objetivou-se caracterizar a divergência genética de 141 genótipos tradicionais de M. esculenta coletados no estado do Espírito Santo através de marcadores SSR e caracteres morfológicos qualitativos, visando extrair novos materiais superiores. Foram coletados 141 materiais, entre genótipos da região sul (63), serrana (40) e norte (38) do estado do Espírito Santo, e três genótipos comerciais BRS Jari, BRS Dourada e BRS Kiriris, materiais melhorados pela Embrapa Mandioca e Fruticultura. As três populações foram avaliadas pelo mesmo grupo de microssatélites e, o maior número de alelos (105) foi detectado nas populações da região sul, com maior número de indivíduos amostrados (63) e média de seis alelos por loci. Já para a região serrana foram identificados 92 alelos nos 40 indivíduos, com média de cinco alelos por loci e para região norte 90 alelos nos 38 indivíduos, com média de cinco alelos por loci. Os loci EME260, EME189 e NS198 apresentaram os maiores números de alelos para as populações da região sul, serrana e norte, com os valores 9, 8 e 8, respectivamente. Os resultados obtidos com a análise de variáveis multicategóricas e por marcadores SSRs, evidenciam a existência de variabilidade genética. O método de agrupamento UPGMA para os dados qualitativos e moleculares apresentaram semelhança na formação de grupos. Tanto na caracterização morfológica, quanto na molecular, alguns genótipos comerciais e tradicionais estabeleceram-se dentro de um mesmo grupo. Podendo afirmar que os materiais tradicionais possuem características semelhantes aos comerciais que já passaram por algum processo de melhoramento genético. A caracterização foi realizada de forma eficiente com o uso de descritores qualitativos, destacando-se os caracteres cor externa do caule, cor do pecíolo e forma do lóbulo central das folhas, que apresentaram grande variabilidade, sendo considerados os descritores apropriados para a diferenciação dos genótipos de mandioca neste estudo. Existe alta diversidade no material estudado, com a maior parte desta variabilidade distribuída entre as regiões sul e serrana.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7852
Appears in Collections:PPGGM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_11170_Dissertação Final Natália Zardo Barbiero20180619-140249.pdf2.53 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.