Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7931
Title: Exposição aguda a baixa concentração de cloreto de mercúrio induz a disfunção endotelial em aorta de ratos
metadata.dc.creator: LEMOS, N. B.
Issue Date: 29-Jul-2009
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: LEMOS, N. B., Exposição aguda a baixa concentração de cloreto de mercúrio induz a disfunção endotelial em aorta de ratos
Abstract: Os efeitos tóxicos do mercúrio e de seus derivados são extremamente variados abrangendo desde efeitos sobre as células do aparelho reprodutivo até neurológico, sendo esses, já bem esclarecidos. No entanto, sua ação sobre o sistema vascular, em pequenas concentrações, semelhantes àquelas encontradas no sangue após exposição aguda, não estão bem elucidadas. Assim, este estudo propõe avaliar os efeitos da administração aguda de 6 nM de cloreto de mercúrio (HgCl2) sobre a reatividade vascular. Foram usados anéis isolados de aorta de ratos Wistar (200- 300g) para investigar a reatividade vascular à fenilefrina, na ausência (controle) e na presença de HgCl2 (6 nM). A reatividade vascular à fenilefrina (10-10 - 3-10-4 M) foi avaliada na presença (E+) e na ausência do endotélio (E-). Para analisar os possíveis fatores endoteliais envolvidos no efeito do HgCl2, foram realizadas curvas de concentração-resposta à fenilefrina com: L-NAME (100 µM), losartan (10 µM), enalapril (10 µM), indomentacina (10 µM), superóxido dismutase (SOD, 150 U/ml) e apocinina (Apo, 100 mM). A função endotelial foi avaliada através da curva de relaxamento induzido pela acetilcolina (ACh, 10-10 _ 3.10-4 M), e a função do músculo liso vascular foi testada pela curva de nitroprussiato de sódio (NPS, 10-11 - 3.10-7 M), em artérias pré-contraídas com FE (10-6 M). O HgCl2 aumentou a resposta máxima (Rmax controle: 93,5±2,5 vs HgCl2: 116,7±3,4 %) e a sensibilidade à fenilefrina (pD2 controle: -6,47± 0,08 vs HgCl2: -6,77± 0,1 M). Este aumento foi abolido após a lesão endotelial. A administração de L-NAME promoveu aumento de Rmáx e pD2 à fenilefrina, tanto na ausência quanto na presença de HgCl2. A magnitude desse efeito (analisada pela dAUC) foi menor na presença de HgCl2 (dAUC% - controle: 133,9±22 vs HgCl2 64,89±11%). A vasodilatação induzida pela ACh e NPS não foi modificada pela adição de HgCl2. Entretanto, a administração do losartan, do enalapril, da indometacina, da SOD e da apocinina foram capazes de reverter o aumento da reatividade vascular à fenilefrina provocado pelo HgCl2. Os resultados sugerem que o aumento da reatividade à fenilefrina, em anéis isolados de aorta, induzido por 6 nM de HgCl2, é mediado pelo endotélio vascular. Tal efeito envolve a ativação do sistema renina-angiotensina (SRA) local, a liberação de prostanóides vasoconstrictores, o aumento da liberação de espécies reativas do oxigênio e a redução da biodisponibilidade de NO.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7931
Appears in Collections:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_3467_Dissertação Núbia belém Lemos.pdf1.56 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.