Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8158
Title: Prevalência de oclusopatia e fluorose dentária de crianças indígenas aldeadas (Etnia Tupiniquim e Guarani) no município de Aracruz, ES
metadata.dc.creator: ALENCAR, C. O.
Issue Date: 5-Jul-2011
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: ALENCAR, C. O., Prevalência de oclusopatia e fluorose dentária de crianças indígenas aldeadas (Etnia Tupiniquim e Guarani) no município de Aracruz, ES
Abstract: A população indígena do município de Aracruz, ES compõe-se de duas etnias, Tupiniquim e Guarani. Até o presente momento não havia sido realizado nenhum levantamento acerca das condições de saúde bucal desta população. Com objetivo de conhecer a prevalência de fluorose dentária e oclusopatia da população infantil indígena aldeada do município de Aracruz, ES, realizou-se um estudo, descritivo, transversal, com abordagem quantitativa. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de ética da Universidade Federal do Espírito Santo (081/09), Comitê de ética nacional-CONEP (0524/2010) e Fundação Nacional do Índio (FUNAI). A amostra foi composta por 98 crianças, com faixa etária de 5 e 12 anos, sendo que 87,9% pertenciam à etnia Tupiniquim e 12,1% à etnia Guarani. Duas examinadoras foram previamente calibradas (kappa = 0,9 para maloclusão e 0,8 para fluorose). O índice de DEAN foi utilizado para avaliação da fluorose e, o Índice de Estética Dental (DAI) para oclusopatia aos 12 anos; já a análise da oclusopatia aos 5 anos seguiu os critérios da Organização Mundial de Saúde. Os resultados mostraram uma prevalência de fluorose dentária nos graus mais leves da doença de 26,8%. Houve ausência de oclusopatia em 45,6%, nas crianças de 5 anos, seguido por oclusopatia moderada 29,8% e leve 24,6%. Aos 12 anos, 78% dos avaliados não apresentaram oclusopatia, 9,8% com oclusopatia severa com tratamento altamente desejável e, 2,4% severa ou incapacitante. Concluiu-se que houve prevalência de oclusopatia e fluorose dentária aos 12 anos, porém nos níveis mais leves da doença. Todavia, no que concerne à prevalência de oculsopatia aos 5 anos, os resultados mostraram-se preocupantes, pois mais da metade encontram-se com algum tipo de oclusopatia nos níveis leve e moderado. Com isso, os resultados mostram a necessidade de acompanhamento com programas de prevenção para esta população, com intuito de melhorar e impedir a progressão destes agravos. Palavras-chave: maloclusão, fluorose dentária e índios
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8158
Appears in Collections:PPGCO - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_4967_correção final pdf.pdf2.97 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.