Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8252
Title: Caracterização Morfométrica e Mapeamento do Uso do Solo da Bacia do Rio Cricaré
metadata.dc.creator: SOUZA, MARCELO ARAUJO.
Issue Date: 31-Mar-2016
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: SOUZA, MARCELO ARAUJO., Caracterização Morfométrica e Mapeamento do Uso do Solo da Bacia do Rio Cricaré
Abstract: O rio Cricaré faz parte da bacia hidrográfica do rio São Mateus, uma das regiões agrícolas mais importantes do estado do Espírito Santo. Nesta bacia estão os municípios com maior produção brasileira de café conilon, pimenta do reino, mamão, macadâmia, eucalipto, além da pecuária. No entanto, sua dinâmica hidrológica tem sido afetada por atividades antrópicas, ocasionando prejuízos diversos, como erosão, assoreamento e enchentes. Deste modo, faz-se necessário estudos e pesquisas que possam auxiliar na análise da dinâmica do uso e cobertura do solo, com destaque para as geotecnologias. Face ao exposto, o presente trabalho teve como objetivo geral a caracterização morfométrica e o mapeamento do uso das terras na Bacia Hidrográfica do Rio Cricaré utilizando técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto em ambiente de Sistemas de Informações Geográficas (SIG). Para isso, gerou-se inicialmente o Modelo Digital de Elevação Hidrologicamente Consistente (MDEHC), a partir do projeto TOPODATA, disponibilizado no site do INPE na resolução 30 x 30m, e da hidrografia vetorizada. Posteriormente foram obtidas as principais características fisiográficas para estudo do comportamento hidrológico da bacia. O relevo é predominantemente ondulado e a altitude média é de 348,73 m. A área de drenagem encontrada foi de 4538,02 km² e o perímetro 615,58 km. Foram identificadas 3021 nascentes e 6268,67 km de cursos hídricos. As Áreas de Preservação Permanente (APPs) foram delimitadas sob a ótica da legislação ambiental em vigor, as quais representam 9,64% da bacia. A principal forma de uso da terra na bacia é a pecuária, com 55,92%. A área preservada com Mata Atlântica nativa é de 19,02%.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8252
Appears in Collections:PPGAT - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_8162_Dissertação (versão 1) - Marcelo Araújo de Souza.pdf3.93 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.