Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8602
Title: AGRESSÃO: DO Homo sapiens AO Homo economicus: DESDOBRAMENTOS POLÍTICOS E EDUCACIONAIS
metadata.dc.creator: PINTO, V. C. M. R.
Keywords: Agressividade;Etologia;Sociobiologia;Teoria Crítica;Barb
Issue Date: 23-May-2017
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: PINTO, V. C. M. R., AGRESSÃO: DO Homo sapiens AO Homo economicus: DESDOBRAMENTOS POLÍTICOS E EDUCACIONAIS
Abstract: Esta pesquisa de caráter teórico-analítico propõe analisar o fenômeno da agressividade e sua relação com o processo de produção da barbárie. A análise parte da contribuição da Teoria Crítica da Sociedade, em especial da filosofia de Theodor Adorno. Busca-se responder qual lugar, para a etologia e a sociobiologia ambas do campo das ciências biológicas a educação e a cultura ocupam no discurso teórico sobre esse fenômeno produzido pelos respectivos representantes: Lorenz (1974) e Wilson (1981). A hipótese considera que há uma tendência, no âmbito dos estudos biológicos, de compreender e explicar o fenômeno da produção da barbárie, vinculado às determinações cientificamente reducionistas. O que nos instigou, na realização desta pesquisa, foi a compreensão de como os argumentos próprios da etologia e da sociobiologia sustentam a explicação sobre o fenômeno relativo à destrutividade humana que, a rigor, têm determinações vinculadas tanto à faceta biológica do humano quanto, e principalmente, às ideologias que embasam ações no campo da ciência, política, economia, cultura, sociedade como um todo. De modo geral, a pesquisa corrobora a hipótese. As teorias dos autores aqui analisadas concebem que a barbárie, isto é, a violência irracional associada a ideologias, tem origem biológica. Seguindo a ideologia do darwinismo social, eles defendem que a barbárie, é o resultado da agressividade associada ao instinto de sobrevivência animal ainda presente no ser humano, independentemente das razões sociais a ela vinculadas. Por isso, os autores sugerem que o método científico materialista é o caminho para a compreensão e intervenção nesses fenômenos associados à natureza humana. Conclui-se que as teorias dos autores se baseiam no cientificismo, fruto da racionalidade técnico-instrumental, típico da ideologia de um sistema político-econômico que tende a depositar sobre os indivíduos a culpa pelas consequências sociais de uma sociedade regida pelo domínio de classe, considerando que a barbárie, apesar de ser um fenômeno social, fruto de um planejamento racional, também está associada ao domínio da natureza humana e à manipulação de mecanismos inconscientes e irracionais. Por isso, mesmo que a educação, sozinha, não consiga resolver as causas objetivas relacionadas à barbárie, aposta-se numa educação política que busque trabalhar os mecanismos subjetivos atrelados ao processo de produção da barbárie.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8602
Appears in Collections:PPGE - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_11099_DISSERTAÇÃO 31 DE MAIO - Word para PDF - 18-4-17 (4) (2).pdf1.41 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.