Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9305
Title: Uma linhagem manchada pelo pecado. O discurso antijudaico e a estigmatização dos judeus-conversos (Castela, 1391-1478)
metadata.dc.creator: FOLLADOR, K. J.
Keywords: Antijudaísmo;Linhagem;Conversos;Estigmatização;
Issue Date: 7-Dec-2016
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: FOLLADOR, K. J., Uma linhagem manchada pelo pecado. O discurso antijudaico e a estigmatização dos judeus-conversos (Castela, 1391-1478)
Abstract: A proposta desta pesquisa é analisar a estigmatização social dos cristãos de linhagem judaica, denominados conversos, na Coroa de Castela entre o ano de 1391, quando uma grande parcela da população judaica foi convertida à força ao cristianismo, e o ano de 1478, quando houve a aprovação papal de um Tribunal da Inquisição para o reino de Castela. Após as conversões de 1391, uma parte dos neófitos buscou assimilar-se à comunidade cristã, alcançando considerável êxito. Os indícios de uma estigmatização, porém, já começavam a surgir por meio da distinção entre os conversos e os demais cristãos, autodenominados cristãos-velhos. Estes, como uma nítida herança do preconceito antijudaico, consideravam os conversos como outros cristãos. À inicial desconfiança religiosa, somaram-se as disputas sociais e políticas que intervieram negativamente nas relações sociais. Não excluindo da análise os fatores políticos e sociais, a hipótese desta pesquisa é que a estigmatização dos conversos tornou-se em parte possível devido à concepção religiosa e cultural que determinados cristãos-velhos nutriam em relação aos conversos. Na visão de alguns cristãos-velhos, o pertencimento anterior ao judaísmo ou o fato de descender de uma linhagem fiel a esta religião impossibilitava os conversos de serem considerados legítimos cristãos, o que acarretava a estigmatização social de muitos membros do grupo. Nesse contexto, os aspectos religiosos e culturais da estigmatização podem ser identificados na discussão travada no reino de Castela à época do surgimento, em 1449, da lei conhecida como Sentencia-Estatuto, que visava sancionar o preconceito e negar a isonomia aos conversos. Somando-se à lei, identificam-se diversificadas acusações de cunho religioso e cultural em obras satíricas e em processos inquisitoriais, deixando patente que a estigmatização dos cristãos de origem judaica também possuía, para além de fatores sociais e políticos, influência do arcabouço cultural e religioso comum aos cristãos-velhos durante o período pesquisado.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9305
Appears in Collections:PPGHIS - Teses de doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_5881_Tese de Doutorado_Kellen Jacobsen Follador_versãofinal.pdf4.53 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.