Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11084
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorPEZZOPANE, J. E. M.
dc.date.accessioned2019-04-30T02:03:52Z-
dc.date.available2019-04-29
dc.date.available2019-04-30T02:03:52Z-
dc.identifier.citationFONSECA, M. D. S., TROCAS GASOSAS E CRESCIMENTO INICIAL DE CLONES DE EUCALIPTO EM DIFERENTES CONDIÇÕES TÉRMICAS E HÍDRICASpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/11084-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleTROCAS GASOSAS E CRESCIMENTO INICIAL DE CLONES DE EUCALIPTO EM DIFERENTES CONDIÇÕES TÉRMICAS E HÍDRICASpor
dc.typedoctoralThesisen
dcterms.abstractA temperatura e a disponibilidade hídrica do solo são fatores cruciais para o estabelecimento das plantas. A variação da temperatura ao longo do dia e a disponibilidade hídrica do solo influenciam as trocas gasosas e o crescimento inicial das plantas, em especial de plantios de eucalipto. Este estudo objetivou analisar as trocas gasosas e o crescimento inicial de clones de eucalipto submetidas a diferentes regimes térmicos e hídricos. Foram realizados dois experimentos em casas de vegetação climatizadas para simulação de diferentes ambientes. O primeiro teve como objetivo analisar as trocas gasosas e o crescimento inicial de seis clones de eucalipto submetidas a ambientes com diferentes regimes térmicos. Como resultado, o clone AEC 1528 apresentou melhor produção de biomassa em ambientes mais quentes, acima de 19,9 ºC de temperatura média; os clones GG157 e GG100 requerem ambiente com temperatura média de 21,4 ºC; o AEC 144 foi tolerante à todos regimes térmicos estudados; temperatura média de 24,8 ºC e menor amplitude térmica diária beneficiaram a produção do CNB 001, enquanto que temperaturas médias intermediárias (21,4 e 24,8 ºC) foram as melhores para o clone CNB 002. Temperaturas médias baixas (19,9 ºC) diminuíram a taxa de assimilação líquida dos clones. No segundo experimento, as plantas foram submetidas à ondas de calor (36,3; 42,8 e 45,4 ºC) e deficiência hídrica. A deficiência hídrica causou maior interferência nas alterações das trocas gasosas, na massa seca (total, parte aérea, raiz) e área foliar do que a temperatura máxima da onda de calor em ambos os clones. O clone AEC 144 foi afetado pela condição hídrica, mas indiferente quanto às ondas de calor. O clone TP-361 foi afetado na onda de calor de 45,4 ºC e 47% de disponibilidade de água no substrato. Variações de temperatura mínima, máxima, amplitude térmica e déficit hídrico apresentaram interferência direta nos valores de trocas gasosas e, consequentemente, produção de biomassa de clones de eucalipto. Palavras-chave: Amplitude térmica, biomassa, estresse hídrico, estresse térmico, onda de calor, temperatura.por
dcterms.creatorFONSECA, M. D. S.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2019-02-26
dcterms.subjectAmplitude térmicapor
dcterms.subjectBiomassapor
dcterms.subjectEstresse hídricopor
dcterms.subjectEstresse térmpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Florestaispor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseDoutorado em Ciências Florestaispor
dc.contributor.refereeSILVA, L. G.
dc.contributor.refereeTATAGIBA, S. D.
dc.contributor.refereeTOLEDO, J. V.
dc.contributor.refereeCUZZUOL, G. R. F.
Aparece nas coleções:PPGCF - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12823_Tese MARIANA DUARTE 2019.pdf2.66 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.