Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3043
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.date.accessioned2016-08-29T14:10:17Z-
dc.date.available2016-07-11
dc.date.available2016-08-29T14:10:17Z-
dc.identifier.citationSILVA, P. O. M., As Expectativas do Ter e o Fracasso do Ser: Representações Sociais de Adolescência e Suicídio entre Adolescentespor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/3043-
dc.format.mediumtexten
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleAs Expectativas do Ter e o Fracasso do Ser: Representações Sociais de Adolescência e Suicídio entre Adolescentespor
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractO presente trabalho busca discutir um fenômeno que tem sido recorrente na população de jovens e adolescentes: o suicídio. Na literatura científica existem poucos estudos que procuram entender esse fenômeno em uma abordagem psicossocial, a maioria dos estudos concentra-se nas áreas sociológicas, psicológicas e médico-psiquiátricas. Fundamentando-se na Teoria das Representações Sociais, procuramos analisar o significado de adolescência e de suicídio entre os adolescentes e verificar as possíveis relações entre esses dois temas. Participaram desse estudo 360 adolescentes entre as idades de 14 e 23 anos; 180 (90 do sexo feminino e 90 do sexo masculino) residentes em região urbana e que estudam em escola particular localizada em bairro considerado de classe média alta e alta e 180 (90 do sexo feminino e 90 do sexo masculino) residentes em uma região rural e que estudam em escola agrotécnica pública. Os resultados indicaram que a forma como cada grupo representa o suicídio relaciona-se à forma de viver a adolescência. Para o grupo da região urbana, a Representação Social da adolescência configura-se em dois pólos: curtição e apoio, o primeiro significa a socialização entre pares e o segundo o apoio familiar. Para eles, a grande preocupação é ficar sozinho. Dessa forma, os fatores de risco relacionados ao suicídio são os problemas familiares, como separação parental, maus tratos, negligência parental, entre outros; e, dificuldade em relacionar-se, que pode estar relacionado à auto-estima, síndromes psiquiátricas entre outros. Para o grupo da região rural a adolescência é uma transição muito rápida para a idade adulta, por isso, eles preocupam-se, com a realidade do mercado profissional e, não apenas com a solidão. Sendo assim, os fatores de riscos para esses adolescentes são os mencionados no grupo que reside em região urbana e os problemas sociais, como: desemprego, baixos salários, dificuldades financeiras, entre outros. A partir desses resultados concluímos que, para uma adequada assistência à saúde do adolescente é imprescindível conhecer melhor os seus medos, seus projetos de vida, suas crenças, seu contexto sócio-cultural para podermos oferecer um conjunto de ações mais efetivo.por
dcterms.creatorSILVA, P. O. M.
dcterms.issued2002-08-13
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Psicologiapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Psicologiapor
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_417_.pdf1.27 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.