Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9326
Título: A produção do espaço livre público do Parque da Prainha em Vila Velha-Espírito Santo : disputa territorial em projetos urbanos
Autor(es): Franchini, Filipe Barreto
Orientador: Mendonça, Eneida Maria Souza
Data do documento: 30-Ago-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: A presente pesquisa trabalha com o objetivo de investigar a produção do espaço livre público do Parque da Prainha, em Vila Velha, Espírito Santo, centralizada no período de 1989, ano de construção do Parque, até 2016, desvelando o processo de construção, demolição e possível reconstrução do Parque. A metodologia utilizada envolveu estudo bibliográfico relativo ao tema relacionado à produção do espaço e ao espaço público, pesquisa documental realizada em arquivos e bibliotecas públicas e entrevistas com pessoas-chave como os arquitetos, autores de projetos para o Parque, os gestores, que representam o Poder Público; os moradores do bairro, organizados na Associação de Moradores; os pescadores e representantes do setor privado organizados na Associação de Empresários com interesse na área do espaço livre público do Parque da Prainha. As entrevistas são relativas à história de ocupação urbana de Vila Velha, à execução do aterro e ao Parque da Prainha. A investigação se desenvolveu por meio da identificação dos agentes sociais que atuam na constante produção do espaço livre público do Parque da Prainha, principalmente a Associação de Moradores; Associação de Empresários; o Grupo Pesqueiro, envolvendo a Cooperativa de Pesca e a Colônia de Pesca, e o Poder Público Municipal e Estadual. As constatações deste estudo revelam que a construção do Parque em 1989 está relacionada às ações da Associação de Moradores, do Grupo de Pesca e do Poder Público Estadual durante a década de 1980. Após 19 anos de funcionamento, o descaso com a manutenção das estruturas do Parque, os problemas apontados pela Associação de Moradores, como a insegurança, e o interesse da Associação de Empresários em construir um parque novo que desse suporte às práticas turísticas e ao turismo de negócios foram justificativas que apareceram para fundamentar a demolição do Parque em 2009. Em 2016, passados 7 anos desde a demolição, o Parque não foi reconstruído. Nesse sentido, foram ainda analisados na pesquisa, três projetos arquitetônicos urbanos de reconstrução do Parque da Prainha. Os projetos apresentam um forte viés econômico voltado para o desenvolvimento e para o suporte das atividades turísticas, não apenas aquela vinculada à visitação do sítio histórico ou da atividade religiosa que caracteriza o bairro da Prainha, mas ao fortalecimento do turismo de eventos.
The research here presented works with the goal of investigating the making of the open space of public use in Parque da Prainha, located in Vila Velha, Espírito Santo, during the period of 1989, the year the park was built, up to 2016, revealing the process of building, demolition and a possible subsequent rebuilding of the park. The methodology used in this paper envolved a bibliographic study regarding the production of space and public space, documentary research in archives and public libraries, as well as interviews with key-persons related to the history of urban occupation in Vila Velha, to the execution of the landfill and to the Prainha Park. The investigation was developed by the identification of the social agents that act upon the constant production of the open space of public use in Prainha Park, primarily the Residents’ Association; Business Association; the Fishery Groups, embarking both the Fishery Cooperative and the Fishing Colony, and the Public Power in the form of State and Municipalities. The findings in this paper reveal that the Park construction in 1990 is related to the actions of the Residents ’Association, Fishery Group and the State Public Power during the 80’s decade. After working for 19 years, the disregard towards the Park’s maintenance, the problem pointed by the Residents’ Association, like insecurity, and the interest of the Business Association to build a new Park that supports touristic practices and the tourism businesses are explanations that rise to justify the Park’s demolition in 2009. In 2016, 7 years have gone by since the demolition and the Park has not been rebuilt. For that matter, 3 urban architectural projects for rebuilding the Prainha Park were analyzed in this research. The projects show a strong economic bias towards the development and the support of touristic activities, not only the ones associated to the visitation of the historical site or the religious activities that characterizes the Prainha neighborhood, but also the strengthening of the tourism of events.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9326
Aparece nas coleções:PPGGEO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_10224_Dissertação - Filipe.pdf6.4 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.