Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10616
Título: AS FRONTEIRAS DE GIZ ENTRE NARRATIVA, REAL, E FICÇÃO NA ARTE DO AGORA
Autor(es): SALVADOR, F.
Orientador: RICARDO MAURÍCIO
Palavras-chave: Narrativa
Real
Realidade
Ficção
Político
Data do documento: 26-Set-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SALVADOR, F., AS FRONTEIRAS DE GIZ ENTRE NARRATIVA, REAL, E FICÇÃO NA ARTE DO AGORA
Resumo: Essa dissertação começou com o questionamento sobre o propalado fim da narrativa, e, ao mesmo tempo, do arrefecimento (ou sequer existência) da força transformadora da arte. O escrito que aqui se apresenta se inicia inquirindo sobre o olhar para trabalhos de arte, que concebem por vezes narrativas inteiras, ou trechos. Ou mesmo sobre a impressão fugidia, ao pensar sobre uma obra, de que nos afigura como uma narrativa. Além disso, esse tergiversar, resultado da pesquisa acadêmica, reflete, sobre a tendência na recente produção artística visual de questionamento das bordas entre realidade e ficção. O recorte dos artistas é inspirado somente no afeto particular da autora dessa escrita. Conclui-se, com a proposição de que há inúmeras formas do embate entre arte e real, e com adesão às ideias de Jacques Ranciére e Chantal Mouffe, de que a arte tem potencial transformador, e de subversão da hegemonia, e que essa narrativa da arte do agora se torna política à medida que se propõe ser resistência, como o Baudelaire, retratado por Walter Benjamin, resistente em pleno advento do capitalismo e modernidade. Palavras-chave: Narrativa. Real. Realidade. Ficção. Político (Dissertação entregue para defesa)
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10616
Aparece nas coleções:PPGA - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12580_Dissertação_Mara_Coradello para defesa.pdf1.65 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.