Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10989
Título: Processos de subjetivação, corpos negros e cabelos crespos: estudantes negras em aliança
Autor(es): ALMEIDA, P. P.
Orientador: ALVIM, D. M.
Data do documento: 27-Mar-2019
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ALMEIDA, P. P., Processos de subjetivação, corpos negros e cabelos crespos: estudantes negras em aliança
Resumo: Esta pesquisa apresenta experimentações de uma psicóloga escolar em encontros com estudantes que participaram de coletivos estudantis no Instituto Federal do Espírito Santo (IFES), campus Linhares. A intenção da pesquisa foi entender de que maneira as questões das lutas estudantis engendram produção subjetiva; compreender como os estudantes resistem à produção de um corpo escolarizado e como atuam produzindo outras formas de estarem juntos e inventarem outros modos de existir na escola; e, ainda, problematizar como as questões de gênero e raça perpassam a constituição da subjetividade de estudantes e a produção da escola. Para isso, construímos encontros com estudantes do IFES, campus Linhares, e escritas em diários de bordo. Assim, o texto é permeado por fragmentos de narrativas das histórias de lutas, afetos e relações com os corpos, e essas narrativas vão se costurando com referências teóricas, músicas, poemas e imagens. Nesse processo, foi possível perceber que as políticas de aliança aconteceram em torno de reivindicações para que os corpos pudessem circular na escola. Essas lutas aconteceram com os próprios corpos, que entraram em ação como os meios e os fins da política. Os estudantes criaram outras formas de habitar a escola juntos, e onde havia silêncio em torno de práticas racistas e sexistas eles passaram a ocupar com suas vozes, letras e corpos. Por fim, a pesquisa apresenta problematizações em torno da noção de raça, e como está se engendra no Brasil, passando pela questão da mestiçagem, por algumas histórias do movimento abolicionista e do movimento de luta contra o racismo; propondo pensar na potência que o pardo, como um entrelugar, carrega em meio às classificações binárias. A pesquisa assinala algumas considerações sobre racismo na escola, apontando que a instituição escolar, quando funciona a partir da lógica classificatória, meritocrática e excludente, opera uma necropolítica escolar. Palavras-chave: Processos de subjetivação. Lutas estudantis. Políticas de aliança. Racismo na escola. Necropolítica escolar.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10989
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_13095_Poliane dos Passos Almeida 27.03.pdf4.01 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.