Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11022
Título: O lugar do sujeito nas intervenções precoces
Autor(es): ROSI, F. S.
Orientador: LUCERO, A.
Data do documento: 29-Mar-2019
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ROSI, F. S., O lugar do sujeito nas intervenções precoces
Resumo: RESUMO O conceito freudiano de pulsão e seus desdobramentos, relidos sob a orientação lacaniana, permitiram uma nova concepção de corpo e de Eu à luz da psicanálise. Saímos do orgânico para a dimensão do sujeito submetido à linguagem, o que provocou um rompimento com a ideia de um processo de desenvolvimento que desconsidera os efeitos do significante sobre o organismo e seu funcionamento. Ao abordarmos os primórdios do psiquismo pela via pulsional, neste trabalho, retomamos a leitura atenta de Marie-Christine Laznik da montagem em circuito proposta por Lacan (1964/2008) para a formulação de sua hipótese clínica e modelo de intervenção precocíssima no laço pais-bebê. Refazendo o trajeto desses psicanalistas Freud, Lacan e Laznik demonstramos de que maneira o malogro na relação entre o infans e o Outro pode ser lido no corpo, na própria (des)organização das funções corporais e nas produções do bebê, permitindo a muitos autores contemporâneos interrogar os primeiros sinais de um encaminhamento psicopatológico, em especial o autístico. Neste ponto, coube discutirmos o fato de que, ao receber uma pequena criança constrangida em seu desenvolvimento e seus pais, a abordagem profissional e o manejo transferencial podem expandir ou limitar as possibilidades de investimento libidinal e, portanto, influenciar nos caminhos da constituição subjetiva. Considerar as manifestações do bebê como manifestações de uma subjetividade (mesmo incipiente, antecipada), é o que parece diferenciar as intervenções precoces sustentadas pela teoria psicanalítica e as chamadas estimulações, nas quais supomos negligenciadas as defesas possíveis a cada sujeito. São preocupações que ganharam força ao abordarmos a grande polêmica trazida pela Lei 13.438, de abril de 2017, que sugere a investigação de risco psíquico em todos os bebês, e não só nos que já se mostrem com dificuldades. O uso de protocolos de avaliação, mesmo que elaborados a partir de um referencial psicanalítico como o IRDI e o PREAUT , dividiu as opiniões de psicanalistas envolvidos com o campo da infância e aparece, por isso, em nossa discussão. Ao interrogarmos a (im)possibilidade de uma prevenção de transtornos psíquicos, sustentamos, por fim, um olhar que seja voltado às condições subjetivas que favoreçam o laço familiar, social e, consequentemente, a construção de caminhos que facilitem o surgimento de um sujeito de desejo. PALAVRAS-CHAVE: Psicanálise; bebês; Intervenção Precoce; Saúde Mental
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11022
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_13082_Fernanda Stange 29.03 - definitiva.pdf1.39 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.