Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3870
Título: Influência do desmatamento na disponibilidade hídrica da bacia hidrográfica do Córrego do Galo, Domingos Martins, ES
Autor(es): Almeida, André Quintão de
Orientador: Alexandre Rosa dos Santos.
Data do documento: 2-Mai-2007
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ALMEIDA, André Quintão de; ROSA, Alexandre dos Santos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro Tecnológico. Influência do desmatamento na disponibilidade hídrica da bacia hidrográfica do Córrego do Galo, Domingos Martins, ES. 2007. 92 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Tecnológico
Resumo: Este estudo avalia a influência do desmatamento na dinâmica hidrológica de uma bacia hidrográfica. O trabalho realizado na bacia do córrego do Galo (973km²), Domingos Martins, ES, considerou um período de análise de trinta e um anos (1975 a 2005). A fim de caracterizar o comportamento hidrológico da bacia, realizou a modelagem morfométrica. Para tal, o uso de sistemas de informações geográficas e elementos cartográficos (curvas de nível e hidrografia) contidos nas cartas planialtimétricas do IBGE foi requerido. Foi gerado para os anos de 1975, 1985, 1995 e 2005, mapas de remanescentes florestais através da panacéia sensoriamento remoto e imagens do satélite LANDSAT. Foi empregado, nos registros históricos de hidrologia, o recurso de análise estatística de séries temporais (BOX & JENKINS), com o intuito de observar a existência de tendências. Os registros foram precipitação (mm) e vazão (m³/s), ambos disponíveis no Sistema de Informações Hidrológicas (HIDROWEB) da ANA e a reposta hidrológica, calculada a partir da razão entre vazão e precipitação. Com relação à modelagem morfométrica, os principais resultados obtidos foram: a bacia apresenta forma alongada, seu coeficiente de compacidade é 1,83, o fator de forma é 0,1 e a densidade de drenagem é de 2,68km/km². Em relação à caracterização temporal dos remanescentes florestais, os resultados indicam uma tendência no período de 1975 a 1995, com uma redução da área de floresta na bacia, passando de 581,31 para 393,63km². No período de 1995 a 2005, essa tendência não é mais observada, ocorrendo aumento da área de floresta, passando a apresentar 457,73km² de área florestada. Os dados de hidrologia não mostraram nenhuma tendência ao longo do tempo, indicando uma possível não correlação entre desmatamento e dinâmica hidrológica (vazão e resposta hidrológica) da bacia do córrego do Galo
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3870
Aparece nas coleções:PPGEA - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_2629_dissertacao_andre.pdf2.59 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.