Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5161
Title: Diferenças no Desempenho das Funções Frontais nos Subtipos de Alcoolismo, de Acordo Com a Tipologia de Lesch
Issue Date: 27-Mar-2008
Publisher: Universidade Federal do Espírito Santo
Citation: GOMES, M. P. Z., Diferenças no Desempenho das Funções Frontais nos Subtipos de Alcoolismo, de Acordo Com a Tipologia de Lesch
Abstract: Introdução: Alcoolismo é uma doença heterogênea, com apresentações clínicas, resultados terapêuticos e recaídas variáveis, indicando vulnerabilidade biológica diferentes. Lesch e cols (1988) distinguiram quatro categorias de alcoolismo: Tipo I: com sintomas de abstinência grave; Tipo II: usam o álcool como solução para conflitos; Tipo III: usam álcool para tratamento de desordens psiquiátricas, e, Tipo IV: com história pré-álcool de alterações neurológicas. Déficits cognitivos são encontrados em alcoolistas (principalmente das funções frontais) com implicações diretas no tratamento. Objetivo: Avaliar funções frontais nas diferentes categorias de alcoolismo de acordo com a Tipologia de Lesch: Materiais e Métodos: Bateria de Avaliação Frontal (FAB) e Mini-Exame do Estado Mental (Mini-Mental) foram aplicados em 170 alcoolistas classificados em categorias de acordo com Lesch e 40 controles não-alcoolistas pareados por idade, gênero, características sócio-demográficas e escolaridade. Nos alcoolistas também foi avaliado o quociente de inteligência (QI). Resultados: A classificação da Tipologia de Lesch mostrou: Tipo I = 21,2%; Tipo II = 29,4%; Tipo III = 28,8% e Tipo IV = 20,6%. Foi encontrado um desempenho significativamente prejudicado em tarefas que requerem a função cognitiva frontal, nos pacientes classificados como Tipo IV de Lesch, comparados aos controles não-alcoolistas e também aos pacientes alcoolistas classificados como Tipos I, II e III de Lesch. Estas alterações das funções frontais não se correlacionaram com o padrão de ingestão ou com a idade de inicio do uso de álcool, e tampouco com a escolaridade dos pacientes. Os pacientes classificados como Tipo IV de Lesch também apresentaram menor pontuação do QI e prejuízos do estado mental, sendo o subgrupo que apresentou maior porcentagem de pontuação sugerindo demência. O prejuízo frontal neste subgrupo de alcoolistas (Tipo IV de Lesch) também foi verificado mesmo excluindo-se aqueles com suspeita de demência. E ainda, este prejuízo persistiu mesmo com abstinência acima de 90 dias. Em análise adicional verificou-se que o tipo de alcoolismo, aliado ao desempenho mental e intelectual, são fatores que podem predizer uma disfunção frontal. Conclusão: As verificações do tipo clínico de alcoolismo, através da aplicação de uma classificação simples como a da Tipologia de Lesch, do estado mental e da função frontal, por meio de testes breves de fácil aplicação como o Mini-Mental e o FAB, podem constituir-se em ferramentas extraordinariamente úteis e seguras na avaliação clinica dos alcoolistas, possibilitando inclusive identificar aqueles que apresentam alterações disexecutivas subclínicas, proporcionando significativas mudanças nas estratégias de enfrentamento individualizadas, importantes no tratamento do alcoolismo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5161
Appears in Collections:PPGCF - Teses de doutorado

Files in This Item:
File SizeFormat 
tese_2989_Tese Maria da Penha Zago Gomes.pdf1.63 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.