Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9899
Título: Universitários negros : acesso ao saber escolar e o processo de (re)construção da identidade
Autor(es): Trindade, Luana Ribeiro da
Orientador: Oliveira, Osvaldo Martins de
Coorientador: Mongim, Andréa Bayerl
Data do documento: 22-Fev-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Este estudo, desenvolvido em perspectiva etnossociológica tem como objetivo principal analisar o processo de (re)construção da identidade de universitários que se autodeclaram negros, considerando as relações que se estabelecem com diferentes agentes a partir do ingresso na universidade. Para tal, foram realizados registros através de observações sistemáticas no universo institucional da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), nos campi de Goiabeiras e Maruípe. A entrevista do tipo relato de vida apresentou-se como caminho mais apropriado para esse estudo, a partir da qual buscamos analisar percursos sociais de 14 universitários autodeclarados como negros (as) e 6 universitários autodeclarados brancos. Os resultados provenientes deste estudo mostraram que a discussão do ser negro inicia-se de um determinado lugar. O tornar-se negro, portanto, é um processo pontual, na maioria das vezes, gerado por experiências marcantes de racismo. Esse processo não ocorre de forma idêntica para todos e vai acontecendo aos poucos. Cada um vai identificando-se de uma maneira diferente. Acontece, em geral, quando ingressaram na universidade, após novas experiências e relações com diferentes agentes. Também é nesse espaço que estes discentes começam rememorar o passado e perceber mais diretamente que suas vidas foram marcadas por experiências de racismo em diversos momentos. Sendo, a maior parte dos casos, vivenciada no período escolar. Os desafios, sobretudo, de ingresso e permanência na UFES, não estão ligados apenas a questões materiais e financeiras, mas também àquelas de ordem simbólica. Ao tomarem consciência dessas situações existentes, alguns estudantes tomam a identidade como fator importante de mobilização. Isso, coletivamente, através da inserção em organizações negras dentro da universidade e de forma autônoma. Os universitários autodeclarados brancos, por sua vez, reconhecem seus privilégios, que as práticas racistas ainda persistem dentro da UFES e na sociedade, bem como a importância das ações afirmativas nas universidades. Além disso, começaram a construir o debate sobre relações raciais e principalmente sobre cotas, após ingresso na universidade. Com base em tais constatações, percebi que os percursos sociais dos universitários autodeclarados negros se entrelaçam em diversos momentos de suas experiências e muitas dessas, são semelhantes.
It’s a study developed in the ethnosociological perspective, whose main objective is to analyze the process of (re) construction of the identity of university students who self-identify as black, considering the racial relationships that are established after joining the university. For this, records were made through systematic observations in the institutional universe of the Federal University of Espírito Santo (UFES), in the campuses of Goiabeiras and Maruípe. The interview of the type of life report was presented as a more appropriate approach, from which we sought to understand the social paths of 14 self-declared university students as blacks and 6 university students declared White. The results from this study showed that black discourse is initiated from a certain place. And, it's marked by an event. Becoming black, therefore, is a punctual process, most often generated by striking experiences of racism. This process does not happen in an identical way for everyone and is happening slowly. Each one identifies themselves in a different way. It usually happens when they entered the university, after new experiences and relationships with different agents. It’s also in this space that these students begin to recall the past and realize more directly that their lives were marked by experiences of racism at various times. Most of the cases are experienced during the school period. The challenges, especially, above all, of entrance and permanence in the UFES, are not only related to material and financial matters, but also to those of symbolic order. By becoming aware of these existing situations, some students make identity as an important mobilizing factor. This, collectively through insertion into black organizations within the university and autonomously. White college students, in turn, recognize their privileges, that racist prroactices still persist within UFES and in society, as well the importance of affirmative action in universities. They began to build the debate on race relations and especially on quotas, after joining the university. On the basis of such findings, I have come to realize that the social paths of self-declared black college students meet at various points in their experiences, and many of these are similar.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9899
Aparece nas coleções:PPGCSO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11678_Dissertaçao_ Luana Ribeiro da Trindade20180426-152955.pdf1.89 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.