Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10593
Título: Volumes cortical e subcortical como preditores do desempenho cognitivo em alcoolistas : um estudo de seguimento de 6 anos
Autor(es): Morgado, Adriano Daniel Peres
Orientador: Nakamura-Palacios, Ester Miyuki
Data do documento: 24-Nov-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: O consumo do álcool provou resultar em atrofia cerebral e deficiência cognitiva, mas como as mudanças em estruturas específicas do cérebro estariam relacionadas as alterações cognitivas é incerta. O estudo explorou alterações do volume da substância cinzenta cortical e subcortical após um intervalo de 6 anos e sua relação com alterações executivas frontais e estado mental cognitivo global. Segmentação cortical e subcortical e correções de imagens de ressonância magnética (1,5 T) adquiridas em 2010 (T1) e 2016 (T2) de 16 alcoolistas (14 homens, idade média 49,8 anos ± 8.5 DP em T1 e 55.7 anos ± 8.4 DP em T2) com uso prolongado de álcool (média de 29,8 a 34,7 anos) foram realizados com o FreeSurfer. Os resultados mostraram redução global dos volumes de substância cinzenta e mais especificamente em regiões cerebrais, principalmente de áreas pré-frontais, estruturas subcorticais e córtex do cerebelo, altamente relacionadas à função executiva e à condição de dependência. Mais importante ainda, a redução ao longo do intervalo de 6 anos dos volumes de substância cinzenta do polo frontal direito (p <0,01) e do córtex cerebelar esquerdo (p <0,05) foi preditiva de mudanças no desempenho executivo frontal e a redução do volume do putamen foi preditivo (p <0,05) de mudanças do estado cognitivo global em alcoólatras. Sugerimos que a combinação de análise volumétrica da substância cinzenta de áreas cerebrais específicas com um breve exame da performance frontal executiva e do estado cognitivo global no decorrer do uso de álcool pode ser clinicamente relevante para determinar o grau de comprometimento executivo e cognitivo no alcoolismo.
Alcohol use has been long proven to result in brain atrophy and cognitive deficiencies, but how changes of specific brain structures would be related to these cognitive changes remains unclear. This study explored changes of gray matter cortical and subcortical volumes of alcoholics after 6-years interval and their relation to changes of frontal executive and global cognitive mental status. Cortical and subcortical segmentation and corrections of magnetic resonance (1.5 T) images acquired in 2010 (T1) and 2016 (T2) from 16 alcoholics (14 males, mean age 49.8 years ± 8.5 SD in T1 and 55.7 years ± 8.4 SD in T2) with long-term use of alcohol (mean of 29.8 to 34.7 years) were performed using FreeSurfer. Results showed global reduction of gray matter volumes and more specifically in brain regions, mostly from prefrontal areas, subcortical structures and cerebellum cortex, highly related to the executive function and drug dependence condition. More importantly, reduction over the 6-year interval of gray matter volumes of right frontal pole (p < .01) and left cerebellar cortex (p < .05) were predictive of changes of frontal executive performance, and reduction of right putamen gray matter volume was predictive (p < .05) of changes of global cognitive mental status in alcoholics. We suggest that combination of volumetric analysis of gray matter from specific brain areas with brief examination of frontal executive and global cognitive mental status over the course of alcohol use may be clinically relevant to determine the degree of executive and cognitive commitment in alcoholism.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10593
Aparece nas coleções:PPGMED - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_12673_Dissertação Mestrado + Artigo ADRIANO MORGADO.pdf2.23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.