Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8000
Título: Efeitos cardiovasculares e antioxidantes do tratamento crônico com extrato hidroalcoólico de romã (punica granatum) em ratas hipertensas
Autor(es): Lima, Nathalie Tristão Banhos Delgado de
Orientador: Moysés, Margareth Ribeiro
Coorientador: Santos, Roger Lyrio dos
Data do documento: 18-Dez-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: O aumento da incidência de doenças cardiovasculares em mulheres coincide com a perda da função ovariana, o que sugere efeitos benéficos dos hormônios sexuais femininos e justificaria o uso de terapia hormonal após a menopausa. É crescente o número de estudos utilizando terapias alternativas naturais, com os efeitos benéficos similares aos estrogênios. Uma dessas substâncias é a Punica granatum, popularmente conhecida como romã. Contudo, os efeitos desse tratamento sobre o sistema cardiovascular na hipertensãos ainda não foram elucidados. Para tanto, nosso objetivo foi avaliar os efeitos cardiovasculares e antioxidantes do tratamento com romã em ratas hipertensas (SHR) e ovariectomizadas. Utilizamos fêmeas SHR, com 4 semanas de idade, que foram divididas em Sham e Ovariectomizada (Ovx) e subdivididas e tratadas com extrato da romã (250 mg/Kg) ou água filtrada (veículo), por 30 dias, por gavagem. Ao final do tratamento, quando os animais apresentavam 8 semanas de idade a pressão arterial sistólica foi avaliada por pletismografia de cauda. Em seguida, os animais foram pesados e eutanasiados, o sangue coletado para análise bioquímica. O coração era removido e perfundido de acordo com método de Langendorff. Após a estabilização da pressão de perfusão coronariana (PPC), foi realizada curva dose resposta de bradicinina (BK) seguida pela inibição com L-NAME. Os coxins de gordura e útero foram removidos e pesados. Para o protocolo de western blot e malondialdeído (MDA), os animais foram eutanasiados, plasma coletado e coração imediatamente removido para dissecção de coronárias. Dados foram expressos como média ± EPM. Para as comparações entre grupos utilizamos ANOVA 1 via, seguido de post hoc de Tukey ou Fisher. Para curva de bradicinina ANOVA 2 vias, seguido de post hoc Bonferroni (p <0,05). Observamos que houve redução significante da PAS em ambos os grupos tratados (Sham Água, 170 ± 3,6 mmHg, Sham Romã, 151 ± 2,5 mmHg, OVX Água, 165 ± 3,4 mmHg e OVX Romã, 151 ± 2,5 mmHg). A PPC basal foi reduzida somente no grupo Sham Romã (Sham Água 137 ± 5,8 mmHg e Sham Romã 110 ± 4,7 mmHg). Observamos que a vasodilatação no leito coronariano em resposta à bradicinina foi significativamente maior nos grupos tratados, tanto Sham como OVX. A inibição com L-NAME aboliu o relaxamento induzido pela BK em todos os grupos, mostrando que este é um efeito dependente de NO. Na expressão das enzimas, observamos aumento da SOD no grupo OVX (OVX Água, 0,8199±0,091 e OVX Romã, 1,307±0,124) e não houve alterações na catalase e eNOS. Contudo, após a ovariectomia houve redução da eNOS (OVX Água, 0,682±0,078 e OVX Romã, 0,980±0,107) e gp91phox (OVX Água, 0,593±0,083 e OVX Romã, 0,733±0,071). Houve redução nos níveis de MDA no grupo Sham (Sham Água 16,3±2,1 nmol/mL e Sham Romã 8,1±0,9 nmol/mL), indicando diminuição do estresse oxidativo. Observamos redução nos níveis de colesterol total e de LDL no grupo Sham após tratamento (CT: 38,9 ± 2,9 mg/dL e LDL: 14,0 ± 0,6 mg/dL) comparado ao veículo (CT: 54,3 ± 5,4 mg/dL e LDL: 20,9 ± 1,5 mg/dL). No grupo OVX, houve redução nos níveis de triglicerídeos e LDL após tratamento (TG: 37 ± 3,1 mg/dL e LDL: 18,2 ± 1,5 mg/dL) comparado ao veículo (CT: 64,8 ± 4,5 mg/dL e LDL: 24,3 ± 1,7 mg/dL). Não houve redução nos níveis de HDL. Além destes efeitos, verificamos aumento nos níveis de estrogênio somente no grupo OVX tratado (OVX Água, 7,2 ± 2,0 pg/mL e OVX Romã, 61,8 ± 8,1 pg/mL) e de progesterona em ambos os grupos tratados com o extrato de romã. Observamos ainda que o tratamento promoveu aumento no peso do grupo OVX e não alterou o peso relativo do útero em ambos os grupos. Além disso, o tratamento aumentou o peso de todos os coxins de gordura em ambos os grupos, exceto a mesentérica que ficou aumentada somente no grupo OVX. Desse modo, nós sugerimos o papel terapêutico do extrato da romã sobre o sistema cardiovascular, uma vez que foi demonstrado que a redução da pressão arterial, a melhora no relaxamento e no perfil lipídico podem estar associados a uma redução no estresse oxidativo.
Punica granatum or pomegranate (PG), a phytoestrogen, possesses several biological actions and may be beneficial for the prevention of disease, including cardiovascular disease. We hypothesised that treatment with pomegranate would improve cardiovascular parameters. The purpose of this study was to examine the cardiovascular and antioxidant effects of treatment with pomegranate in hypertensive and ovariectomized rats. Four weeks after their births, SHR females were divided into two groups, Sham and OVX, and were then subdivided into groups treated with pomegranate extract (250 mg/ kg) or filtered water (Vehicle) for 30 days by gavage. The systolic blood pressure (SBP) was measured by tail plethysmography at the beginning and end of treatment, when the animals were 8 weeks of age. The animals were killed by decapitation; the heart was removed and perfused according to the Langendorff method. The blood and tissues were collected for biochemical analysis. The protein expression of SOD-2, catalase, and eNOS were analysed in coronary arteries by western blot. The baseline coronary perfusion pressure (CPP) was determined. A dose-response curve to bradykinin (BK) was performed followed by inhibition with L-NAME. After 30 days, we observed a significant increase in systolic blood pressure only in the OVX group, and treatment promoted a significant reduction in SBP in both groups. The baseline CPP was reduced in the Sham group. The bradykinin-induced relaxation was significantly higher in the treated group. Ovariectomy significantly reduced the relaxation, which was restored by treatment with pomegranate, and L-NAME abolished the BK-induced relaxation in all groups, showing this result is a NO-dependent effect. There was an increase in SOD expression in the OVX-PG group and no change in the catalase level. However, the ovariectomy significantly reduced eNOS and gp91phox levels when compared to the Sham group. The MDA levels were significantly reduced in the Sham-PG group, indicating decreased oxidative stress. We observed a reduction in total cholesterol and LDL in the Sham-PG group compared to the Vehicle group. There was a reduction in triglyceride levels in the OVX-PG group. In addition to these effects, we observed an increase in oestrogen levels only in the OVX group and progesterone in Sham and OVX groups. Therefore, we suggest a therapeutic role of pomegranate extract on the cardiovascular system because it was shown to lower blood pressure, improve relaxation and a lipid profile that may be linked to a reduction in oxidative stress. We also observed that treatment promoted an increase in body weight of the OVX group and did not change the relative weight of the uterus in both groups. Furthermore, the treatment increased the weight of all fat cushions in both groups, except mesenteric which was increased only in the OVX group. Therefore, we suggest a therapeutic role of pomegranate extract on the cardiovascular system, since it has been shown that lowering blood pressure, improvement in relaxation and lipid profile may be associated to a reduction in oxidative stress
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8000
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_8486_Dissertação Nathalie Tristão Banhos Delgado20150211-114854.pdf1.5 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.