Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/8060
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorABREU, G. R.
dc.date.accessioned2018-08-01T22:59:20Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-01T22:59:20Z-
dc.identifier.citationENDLICH, P. W., Efeitos do Exercício Físico e da Terapia Estrogênica Sobre a Reatividade Vascular de Aorta de Ratas Espontaneamente Hipertensas Ovariectomizadas: Papel do Sistema Renina-angiotensinapor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/8060-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleEfeitos do Exercício Físico e da Terapia Estrogênica Sobre a Reatividade Vascular de Aorta de Ratas Espontaneamente Hipertensas Ovariectomizadas: Papel do Sistema Renina-angiotensinapor
dc.typedoctoralThesisen
dc.contributor.memberGAVA, A. L.
dc.contributor.memberLEMOS, V. S.
dc.contributor.memberSANTOS, M. J. C.
dcterms.abstractAs doenças cardiovasculares representam as principais causas de morbidade e mortalidade no mundo, inclusive em mulheres no período pós-menopausa. Com a diminuição na produção dos estrógenos, observa-se o aparecimento e a elevação de vários fatores que podem aumentar o risco de desenvolvimento dessas doenças. Dentre esses fatores, o aumento da atividade ou up regulation do Sistema Renina-Angiotensina (SRA) tem se destacado como um importante mediador na fisiopatologia de várias doenças, tal qual, a hipertensão. Apesar de vários estudos experimentais relatarem efeitos benéficos da reposição hormonal com estrogênio, especificamente 17β-estradiol (E2), sobre a redução do risco cardiovascular, os resultados de estudos clínicos são inconclusivos. Desta forma, modificações no estilo de vida se fazem necessárias, como a incorporação da prática regular de exercícios físicos. Muitos estudos têm demonstrado que o exercício físico pode influenciar positivamente sobre os principais fatores de risco cardiovascular, inclusive em mulheres na pós-menopausa. O objetivo do presente estudo foi analisar os efeitos do treinamento físico crônico de natação e da terapia estrogênica sobre a reatividade vascular de aorta de ratas espontaneamente hipertensas (SHR) ovariectomizadas com foco na modulação efetuada pelo SRA. Os experimentos foram conduzidos com ratas SHR Sham e ovariectomizadas, as quais foram divididas aleatoriamente em cinco grupos: SHAM (S), ovariectomizadas (OVX), ovariectomizadas+TE2 (OE2), ovariectomizadas+natação (ON) e ovariectomizadas TE2+N (OE2+N). A reposição com E2 foi realizada por meio de injeções s.c. contendo 5 µg de 17β-estradiol três vezes por semana. O protocolo de treinamento de natação foi realizado por sessenta minutos diários, de forma continua, cinco vezes por semana. Tanto a terapia quanto o treinamento tiveram duração de oito semanas. Quarenta e oito horas após a última sessão de treinamento e/ou tratamento, as ratas tiveram a Pressão Arterial Sistólica (PAS) aferida e após sacrificadas, o sangue foi coletado para dosagem de angiotensina II (Ang II). Para o estudo funcional de reatividade de aorta, avaliou-se a resposta vasoconstritora à angiotensina II e vasodilatadora à Ang-(1-7), ainda efetuando bloqueios farmacológicos para elucidar o mecanismo de ação. A avaliação da expressão das proteínas do SRA em aorta foi realizada por Western Blotting. Os resultados encontrados demonstram que, o grupo ON e OE2+N apresentaram aumento nos níveis plasmáticos de Ang II, que não foi acompanhado por aumento na PAS. A ovariectomia causou um aumento da resposta vasoconstritora a Ang II e diminuição da vasodilatação de Ang-(1-7), que foi prevenida pelo exercício físico ou pela sua associação com a TE2. Além disso, o abrandamento da resposta vasoconstritora a Ang II, assim como o aumento da vasodilatação a Ang-(1-7) parece ter ocorrido por um mecanismo envolvendo o receptor AT2 e Mas, que tiveram sua expressão aumentada no grupo ON e OE2+N. No grupo ON a eficiência funcional destes receptores foi auxiliada pelo aumento na capacidade anti-oxidante, efetuada pela superóxido dismutase. Pôde-se concluir que tanto o treinamento físico quanto a reposição com E2 exercem efeitos cardioprotetores, e a prática regular do exercício físico pode ser uma excelente alternativa à terapia estrogênica em mulheres na pós-menopausa, haja vista que a associação da TE2 ao exercício não promoveu efeitos somatórios.por
dcterms.creatorENDLICH, P. W.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2013-09-27
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicaspor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseDoutorado em Ciências Fisiológicaspor
dc.contributor.advisor-coBISSOLI, N. S.
Aparece nas coleções:PPGCF - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_6878_Tese Patrick Wander Endlich.pdf2.6 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.