Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10662
Título: Influência do grau de embaiamento no trasporte de sedimentos das praias ao sul do ES
Autor(es): Alves, Fernanda Jurka
Orientador: Albino, Jacqueline
Coorientador: Oliveira, Leonardo Azevedo Klumb
Data do documento: 14-Dez-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: A presente dissertação teve como objetivo avaliar a influência do grau de embaiamento na mobilidade e na suceptibilidade à erosão, sob diferentes eventos, em treze praias embaiadas do litoral sul do estado do Espírito Santo / BR. Para atingir o objetivo propostos, métodos distintos e complementares foram aplicados. Com levantamentos em campo foram investigados a variabilidade dos perfis topográficos e da granulometria das areias sob diferentes condições de incidências de ondas. Já remotamente, foram aplicados modelos em planta a séries temporais de imageamento de satélites para inferir os processos de mobilidade presentes em cada uma das praias, traçando a tendência geral do sistema praial deste trecho de costa como um todo. A interação da morfometria sobre o transporte foi obtida avaliando o comportamento em planta das praias (rotacional ou inundacional) a partir da aplicação do modelo parabólico em que as ondas de predominância para a região foram difratadas nos promontórios. Considerando a direção de entrada e as diferentes amplitude de arrebentação das ondas incidentes nos levantamentos de campo, o índice de endentação das praias, o tipo de circulação e a tendência a existirem trocas de sedimentos foram determinados. As variações de linha de costa, de acordo com as difrações sofridas pelos distintos espectros de ondas, permitiram inferir em quais casos a direção de abertura dos arcos à incidência das ondas era mais significativa que o grau de confinamento das mesmas. A mobilidade dos perfis topográficos indica que as praias de menores índices de embaimento apresentam alta variabilidade volumétrica sob distintos quadrantes de entradas de ondas. Porém. devido ao processo rotacional, e possivelmente oscilatorio, vigentes nestas praias, as mesmas mantém o equilíbrio dinâmico entre os perfis emersos e submersos, tornado-as mais estáveis que as praias mais confinadas. Praias confinadas possuem menores volumes de sedimento emerso e consequentemente, as menores amplitudes de variação de seu volume. Contudo, seu equilíbrio estático é mais facilmente perturbado pela intensidade da incidência das ondas e passam a exportar sedimentos para fora de seus embaiamentos. Justamente por serem mais confinadas tendem a ter um tempo de restabelicimento do volume exportado mais longo. De maneira geral, os resultados apontam que, para o litoral sul do ES, os embaimentos têm papel de proteção das praias até o limite em que a incidência e amplitude de arrebentação de ondas façam com que o confinamento do embaimento favoreça a formação de correntes de retorno. Estas intensificam a mobilização e consequente exportação de sedimentos para fora da célula praial, tornando assim as praias mais confinadas mais sensíveis e vulneráveis. Tendo em conta o aumento da frequecia de eventos de alta energia (tempestades e entradas de frentes) no litoral do Espírito Santo e que o perfil de fechamento das praias em análise estão em sua maioria fora dos embaimentos é imperativo que a gestão costeira dessa região, considere este sistema morfodinâmico praial como integrado.A presente dissertação teve como objetivo avaliar a influência do grau de embaiamento na mobilidade e na susceptibilidade à erosão, sob diferentes eventos, em treze praias embaiadas do litoral sul do estado do Espírito Santo / BR. Para atingir o objetivo proposto, métodos distintos e complementares foram aplicados. Com levantamentos em campo, foi investigada a variabilidade dos perfis topográficos e da granulometria das areias, sob diferentes condições de incidências de ondas. Já remotamente, foram aplicados modelos em planta a séries temporais de imagens de satélites, para inferir os processos de mobilidade presentes em cada uma das praias, traçando a tendência geral do sistema praial desse trecho de costa como um todo. A interação da morfometria sobre o transporte foi obtida avaliando o comportamento em planta das praias (rotacional ou inundacional), a partir da aplicação do modelo parabólico, em que as ondas de predominância para a região foram difratadas nos promontórios. Considerando a direção de entrada e a diferente amplitude de arrebentação das ondas incidentes nos levantamentos de campo, foram determinados o índice de endentação das praias, o tipo de circulação, e a tendência a existirem trocas de sedimentos. As variações de linha de costa, de acordo com as difrações sofridas pelos distintos espectros de ondas, permitiram inferir em quais casos a direção de abertura dos arcos à incidência das ondas era mais significativa que o grau de confinamento das mesmas. A mobilidade dos perfis topográficos indica que as praias de menores índices de embaimento apresentam alta variabilidade volumétrica sob distintos quadrantes de entradas de ondas. Porém, devido ao processo rotacional, e possivelmente oscilatório, vigente nas mesmas, essas mantém o equilíbrio dinâmico entre os perfis emersos e submersos, tornado-as mais estáveis que as praias mais confinadas. Praias confinadas possuem menores volumes de sedimento emerso e, consequentemente, as menores amplitudes de variação de seu volume; contudo, seu equilíbrio estático é mais facilmente perturbado pela intensidade da incidência das ondas e passam a exportar sedimentos para fora de seus embaiamentos. Justamente por serem mais confinadas, elas tendem a ter um tempo de restabelecimento do volume exportado mais longo. De maneira geral, os resultados apontam que, para o litoral sul do ES, os embaimentos têm papel de proteção das praias, até o limite em que a incidência e amplitude de arrebentação de ondas façam com que o confinamento do embaimento favoreça a formação de correntes de retorno. Estas intensificam a mobilização e consequente exportação de sedimentos para fora da célula praial, tornando assim, as praias mais confinadas, mais sensíveis e vulneráveis. Tendo em conta o aumento da frequêcia de eventos de alta energia (tempestades e entradas de frentes) no litoral do Espírito Santo, e que o perfil de fechamento das praias em análise estão em sua maioria fora dos embaimentos, é imperativo que a gestão costeira dessa região considere este sistema morfodinâmico praial como integrado.
The present dissertation had the objective to analyze the influence of the embayed level on the mobility and susceptibility to erosion, under different events, in thirteen bay beaches of the south coastline of Espírito Santo state/BR. To achieve the proposed objective, distinct and complementary methods were applied. Through field surveys, it was investigated the variability of the topographic profiles and the grain size of the sands, under different conditions of the waves’ incidence. Remotely, map patterns were applied to time series satellite images, to infer the mobility’s processes that are present in each of the beaches, to trace, as a whole, the general tendency of the beach’s system from that portion of the coastline. The morphometry’s interaction about the transportation was obtained with the evaluation of the map behavior of the beaches (rotational or inundation), at first, applying the parabolic pattern, in which the predominant waves to that region were diffracted on the promontories. Considering the direction of the entry and the different amplitude of the breaking waves that occurred during the field surveys, it was possible to determine the edentation’s index of the beaches, the type of circulation, and the tendency of existing changes of sediments. The variations in the coastline, according to the diffractions suffered by the distinct spectra of waves, allowed to infer in which cases the direction of the opening of the arches to the incidence of the waves was more significant than the level of containment of those same beaches. The mobility of the topographic profiles indicates that the beaches with lower indexes of embayed present a high volumetric variability under distinct quadrants of waves’ entries. However, because of the rotational process, and possibly of the oscillatory one, that occurs in those beaches, they keep the dynamic balance between the surfaced and submerged profiles, and they become more stable than the more confined beaches. Confined beaches have lower volumes of surfaced sediment and, therefore, lower amplitudes of the variation of their volume; however, their static balance is easily disturbed by the intensity of the incidence of waves and they start to transport sediments outside their embayed areas. Just because they are more confined, they tend to have a longer period of time to the reestablishment of the exported volume. In general, the results show that, to the south coastline of ES, the embayed have a role to the protection of the beaches, until the limit in which the incidence and amplitude of the breaking weaves make the containment of the embayed stimulates the formation of currents of return. These currents intensify the mobilization and the consequent exportation of sediments to the outside of the beach cell, making the beaches more confined, sensitive and vulnerable. Taking into account the rise of the frequency of high energy events (storms and front entries) in the coastline of Espírito Santo, and that the closing profile of the analyzed beaches are mostly outside the embayed, it is imperative that the coast management of that region considers this morphodynamical beach system as integrated.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10662
Aparece nas coleções:PPGOAM - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_12743_DISSERTAÇÃO-FERNANDA JURKA ALVES2018.pdf2.81 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.