Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11717
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.date.accessioned2021-04-27T00:16:23Z-
dc.date.available2021-04-27T00:16:23Z-
dc.identifier.isbn978-65-88077-56-6-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/11717-
dc.publisherEdufespor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/por
dc.titleO espelho negro de uma nação : a África e sua importância na formação do Brasilpor
dc.typebookpor
dc.subject.udc316.722-
dc.subject.br-rjbnHistória - Estudo e ensino-
dc.subject.br-rjbnNegros - Brasil-
dc.subject.br-rjbnEscravidão - Brasil-
dc.subject.br-rjbnCultura afro-brasileira-
dcterms.abstractNesta obra, os leitores são convidados a explorar um pouco da riqueza da História da África, que, em determinado momento, se (con)funde com a História do Brasil. Os organizadores cumprem, desse modo, uma tarefa de suma importância para a consolidação da Lei nº 10.639/03 ao se empenharem em reunir produções acadêmicas de ponta oriundas dos grandes centros de pesquisa e disponibilizá-las ao grande público. Trata-se, pois, de um convite para conhecer a história do continente negro e a trajetória dos africanos e de seus descendentes em terra brasilis por meio de pesquisas atuais que ajudam a compreender melhor esse rico universo que deverá ser apresentado aos alunospor
dcterms.audienceEnsino superiorpor
dcterms.bibliographicCitationCAMPOS, Adriana Pereira; MOTTA, Kátia Sausen da; SILVA, Gilvan Ventura da (Orgs.). O espelho negro de uma nação: a África e sua importância na formação do Brasil. Vitória, ES : EDUFES, 2021. 272 p.por
dcterms.formattextpor
dcterms.issued2021-
dcterms.languageporpor
dcterms.referencesABREU, M.; MATTOS, H.; DANTAS, C. V. Em torno do passado escravista: as ações afirmativas e os historiadores. Antíteses, Londrina, v. 3, p. 21-37, 2010. ADAM, S.; VERCOUTTER, J. A importância da Núbia: um elo entre a África Central e o Mediterrâneo. In: MOKHTAR, G. História geral da África. São Paulo: Cortez, 2011 . v. 2, p. 213-233. ALCOCK, S. E. et al. Empires: perspectives from Archaeology and History. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. ALENCAR, F.; RAMALHO, L. C.; RIBEIRO, M. V. T. História da sociedade brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1985. ALENCASTRO, L. F. de. O trato dos viventes: a formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Cia. das Letras, 2000. ALGRANTI, L. M. O feitor ausente: estudos sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro (1808-1821). Petrópolis: Vozes, 1988. ALMADA, V. P. F. de. Escravismo e transição: o Espírito Santo 1850/1888. Rio de Janeiro: Graal, 1984. ANDERSON, J. C. The Christian topography of Kosmas Indikopleustes: Firenze, Biblioteca Medicea Laurenziana, plut. 9.28. The map of the universe redraw in the sixth century with a contributionon the slavic recensions. Rome: Edizioni di Storia e Letteratura, 2013. ANFRAY, F. A civilização de Axum do século I ao século VII. In: MOKHTAR, G. História geral da África. São Paulo: Cortez, 2011. v. 2, p. 375-397. ANTONACCI, M. A. Memórias ancoradas em corpos negros. São Paulo: Educ, 2013. APEES. Aviso enviado pelo Ministério da Justiça com ordens endereçadas aos delegados e subdelegados da província. 1851a. Série Accioli, livro 66. (Manuscritos). APEES. Carta de denuncia dirigida ao chefe de polícia e mandado de prisão contra Joaquim Ferreira de Oliveira. 1851b. Série Acioli, livro 66. (Manuscritos). APEES. Circular aos delegados e subdelegados de polícia de todas as vilas da província. 1851c. Série Accioli, livro 66. (Manuscritos). APEES. Inq. nº 626, Cx. 676, 21.03.1880, Summario Crime, A Justiça, Laurindo, escravo do Pe. Joaquim de Santa Maria Magdalena Duarte, réu, 17 fls, manuscritas, fl. 2. APEES. Inquérito nº 384, Cx. 664, 04.12.1872, Summario Crime, A justiça, Angelo Marcellino Pereira, 43 fls. APEES. Inquérito nº 452, Cx. 668, 06.07.1874, Verificação de Identidade de cadáver, Joaquim José da Silva, requerente, 24 fls. APEES. Inquérito nº 484, Cx. 669, 20.10.1875, Mandado de apreensão de escravos, 6 fls. não numeradas manuscritas. APEES. Inquérito nº 499, Cx. 670, 29.08.1876, Summario Crime, A justiça, Frei João do Amor Divino Costa, réu, 72 fls. APEES. Oficio com denúncias dirigidas ao chefe de polícia. 1851d. Série Accioli, livro 66. (Manuscritos). APEES. Ofício do chefe de polícia dirigido ao Ministério de Justiça. 1851e. Série Accioli, livro 66. (Manuscritos). APEES. Ofício enviado aos delegados de Itapemirim e Guarapari e subdelegados de Benevente. 1851f. Série Accioli, livro 66. (Manuscritos). APEES. Precatório de prisão. Ofício do Juiz da Auditoria da Marinha da Província da Bahia contra José Alz da Costa. 1851g. Série Accioli, livro 66. (Manuscritos). APPIAH, K. A. Na casa de meu pai: a África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. APULÉE. Apologie et Florides. Introduction et traduction de Paul Valette. Paris: Les Belles Lettres, 2002. APULÉE. Opuscules philosophiques et fragments. Texte établi, traduit et commenté par Jean Beaujeu. Paris: Les Belles Lettres, 1973. APULEIUS. Metamorphoses: books I-VI. Translated and introduction by J. Arthur Hanson. London: Loeb Classical Library, 1989. APULEIUS. Metamorphoses: books VII-XI. Translated by J. Arthur Hanson. London: Loeb Classical Library, 1989. ARAÚJO, C. E. M. de; GOMES, F. dos S. A igualdade que não veio. História Viva, São Paulo, mai. 2008. ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Mapa da população da Província do Espírito Santo. 1839. Assinado por Ildefonso Joaquim Barbosa de Oliveira. Tabela enviada pela Secretaria do Governo, 29 abr. 1839. ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Tabela com relação nominal das cidades, vilas e freguesias da Província do Espírito Santo. 1846. ARRUDA, J. J. de A.; PILETTI, N. Toda a história. 4. ed. São Paulo: Ática, 1995. AZEVEDO, A. M. Nova História Viva: 7º ano de escolaridade. 9. ed. Lisboa: Plátano, 1990. BAKOS, M. M. O que são hieroglifos. São Paulo: Brasiliense, 1996. BALOUT, L. A hominização: problemas gerais, parte II. In: KI-ZERBO, J. (Org.). História geral da África: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: Unesco, 2010. v. 1, p. 471-489. BANDEIRA, C. F. M. Senhores da história: a construção do Brasil em dois manuais de história na segunda metade do século XIX. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997. BARCELOS, L. C. Algumas questões sobre a (des)educação do ensino. In: CICLO DE PALESTRAS E DEBATES SOBRE A VIDA DA COMUNIDADE AFRO-BRASILEIRA, 4., mar./abr. 1989, Rio de Janeiro. [Trabalhos apresentados]. Rio de Janeiro: Grupo de Trabalhos André Rebouças, 1989. p. 1. Rio de Janeiro, p. 1, mar./abr. 1989. Grupo de Trabalhos André Rebouças, 1989. BARD, K. A. An introduction to the Archaeology of ancient Egypt. Oxford: Wiley Blackwell, 2015. BARICKMAN, B. J. A bit of land, wich they call a roça: slave provision grounds in the Bahia Recôncavo, 1780-1860. Hispanic American Historical Review, v. 74, n. 4. p. 649-687, 1996. BERLIN, I. De crioulo a africano: as origens atlânticas da sociedade afro-americana na América do Norte Continental. Estudos Afro-Asiáticos, ano 26, n. 2, p. 231-258, 2004. BHABHA, H. K. O local da cultura. Tradução de Míriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Glaúcia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010. BIRLEY, A. R. Septimus Severus: the African emperor. London and New York: Routledge, 2002. BOBBIO, N. Teoria das elites. In: BOBBIO, N. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1991. p. 385-391. BITTENCOURT, C. M. F. Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993. BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario Bibliographico Brasileiro (Volume 3: Letras Fr-Jo). 1827-1903. BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. Brasília: Universidade de Brasília, 2010. BONIFAZI, E.; DELLAMONICA, U. Descobrindo a História: Idade Antiga e Medieval, 7ª série. São Paulo: Ática, 2002. BONZATTO, E. A. A fonte da nação: a iconografia pátria no livro didático de história do Brasil: o nacional e o regional (1960-2000). Tese (Doutorado em História Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004. BORGES, J. A. Ambígua África, memórias e representações da África Antiga no livro didático: Egito, reinos e impérios africanos. Dissertação (Mestrado em Memória, Linguagem e Sociedade) – Programa de Pós- -Graduação em Memória, Linguagem e Sociedade, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, 2009. BOULOS JÚNIOR, A. As imagens da África, dos africanos e dos seus descendentes em coleções de didáticos aprovado pelo PNLD de 2004. 2008. 204 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. BOULOS JÚNIOR, A. História, Sociedade & Cidadania, 6º ano. São Paulo: FTD, 2012. CAMPOS, F. de et al. O Jogo da História: de corpo na América e de alma na África. São Paulo: Moderna, 2002. BOURRIAU, J. The Second Intermediate Period (c. 1650-1550 BC). In: SHAW, I. The Oxford History of the Ancient Egypt. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 172-206. BRAIDWOOD, R. Homens pré-históricos. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1988. BRANDT, S. A.; FATTOVICH, R. Late quaternary archeological research in the Horn of Africa. In: ROBERTSHAW, P. A history of African Archaeology. Oxford: James Currey Publishers, 1990. BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Annaes do Parlamento Brazileiro. Tomo I, [1826]. Rio de Janeiro: Typographia do Imperial Instituto Artistico, 1871. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2018. BRASIL. Constituição (1824). Constituição Política do Império do Brazil. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado dos Negocios do Imperio do Brazil, 1824. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988: atualizada até a Emenda Constitucional número 20, de 15 dez. 1998. 21. ed. São Paulo: Saraiva, 1999. BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 10 jan. 2003. BRASIL. Lei nº 581, de 4 de setembro de 1850. Estabelece medidas para a repressão do trafico de africanos neste Imperio. CLBR, Rio de Janeiro, 5 set. 1850. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2018. BRAZIL (Império). Recenseamento do Brazil em 1872. Rio de Janeiro: Typ. G. Leuzinger, [1874?]. 12v. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. BUENO, J. A. P. Direito Público Brasileiro e Analyse da Constituição do Império. Rio de Janeiro: Typographia Imp. E Const. de J. Villeneuve, 1857. p. 414-415. BUENO, J. B. G. Imagens visuais nos livros didáticos: permanências e rupturas nas propostas de leitura (Brasil, décadas de 1970 a 2000). Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011. BUSTAMANTE, R. M. C. Latim, púnico e berbere na África do Norte: identidade e alteridade. Phoînix, Rio de Janeiro, v. 6, p. 312-327, 2000. BUSTAMANTE, R. M. da C. Práticas religiosas nas cidades romano-africanas: identidade e alteridade. Phoînix, Rio de Janeiro, n. 5, p. 325- 348, 1999. BUSTAMANTE, R. M. da C.; DAVIDSON, J.; MENDES, N. M. A experiência imperialista romana: teorias e práticas. Tempo, Niterói, v. 9, n. 18, p. 17-41, 2005. BUZON, M. R. Tombos during the Napatan period (~750-660 BC): exploring the consequences of sociopoliticas transitions in ancient Nubia. International Journal of Paleopathology, v. 7, p. 1-7, 2014. CAMPOS, A. P. A África e seus impérios medievais. In: CAMPOS, A. P.; SILVA, G. V. da. Da África ao Brasil: itinerários históricos da cultura negra. Vitória: Flor&Cultura, 2007. p. 43-65. CAMPOS, A. P. Escravidão e creolização: a Capitania do Espírito Santo, 1790-1815. In: FRAGOSO, J. et al. (Org.). Nas rotas do Império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória: Edufes, 2006. CAMPOS, A. P. Escravidão, reprodução endógena e crioulização o caso do Espírito Santo no Oitocentos. Topoi, Rio de Janeiro, v. 12, n. 23, p. 84-96, jul./dez. 2011. CAMPOS, A. P. Nas barras dos tribunais: direito e escravidão no Espírito Santo do século XIX. 2003. 278 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003. CAMPOS, A. P. Nas barras dos tribunais: direito e escravidão no Espírito Santo do século XIX. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003. CAMPOS, A. P.; SILVA, G. V. da (Org.). Da África ao Brasil: itinerários históricos da cultura negra. Vitória: Flor & Cultura, 2007. CARDOSO, C. F. S. Agricultura, escravidão e capitalismo. Petrópolis: Vozes, 1979. CARDOSO, C. F. S. Antigüidade oriental: política e religião. São Paulo: Contexto, 1990. CARDOSO, C. F. S. Deuses, múmias e ziggurats. Porto Alegre: Edipucrs, 1999. CARDOSO, C. F. S. Escravo ou camponês?: O protocampesinato negro nas Américas. São Paulo: Brasiliense, 1987. CARDOSO, C. F. S. O Egito Antigo. São Paulo: Brasiliense, 1982. CARDOSO, C. F. S. Sete olhares sobre a Antigüidade. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994. CARDOSO, C. F. S. Sociedades do Antigo Oriente Próximo. São Paulo: Ática, 1991. CARVALHO, L. G. M. Ensino moderno de história do Brasil. 17. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 1972. CARVALHO, M. de. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo. Recife, 1822-1850. Recife: Ed. Universitária, 1998. CASSON, L. The Periplus Maris Erythraei: text with introduction, translation and commentary. New Jersey: Princeton University Press, 2012. CASTELLO BRANCO, R. O negro no livro didático de história do Brasil para o ensino fundamental II da rede pública estadual de ensino, no Recife. 2005. 174 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005. CEDI (Arquivo Histórico da Câmara dos Deputados). Requerimento de Delfino pardo, 1826. CEERT. Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades. Políticas de promoção da igualdade racial na educação: exercitando a definição de conteúdos e metodologias. São Paulo: ArteAgora, 2005. CHALHOUB, S. Precariedade estrutural: o problema da liberdade no Brasil escravista (século XIX). História Social, n. 19, p. 33-62, 1º semestre 2010. CHALHOUB, S. Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. CHAUSA, A. Modelos de reservas de indígenas en el África romana. Gerión, Madrid, n. 2, p. 95-101, 1994. CHERRY, D. Frontier and society in Roman North Africa. New York: Oxford University Press, 2005. CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, dez. 1990. CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação & Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, 2004. CLARK, G. Let every soul be subject: the Fathers and the empire. In: ALEXANDER, L. Images of empire. Sheffield: JSOT Press, 1991. p. 251-275. CLINE, E. H.; GRAHAM, M. W. Impérios antigos, da Mesopotâmia à origem do Islã. São Paulo: Madras, 2012. CONCEIÇÃO, M. T. da. O negro no ensino de história: uma análise das suas implicações e desafios no contexto do ensino médio. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2001. CONFERÊNCIA MUNDIAL CONTRA O RACISMO, A DISCRIMINAÇÃO RACIAL, A XENOFOBIA E A INTOLERÂNCIA CORRELATA. Declaração e Programa de ação: adotada em 8 de setembro de 2001 em Durban, África do Sul. Durban: Fundação Cultural Palmares, 2001. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2018. CONNAH, G. African Civilization: an archaeological perspective. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. CONRAD, R. Os últimos anos da escravatura no Brasil: 1850-1888. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. p. 571-608. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (Brasil). Resolução nº 1, de 17 de junho de 2004. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 22 jun. 2004. Seção 1, p. 11. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2018. COPPENS, I. A hominização: problemas gerais, parte I. In: KI-ZERBO, J. (Org.). História geral da África: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: Unesco, 2010. v. 1, p. 447-470. COQUERY-VIDROVITCH, C. A descoberta de África. Lisboa: Ed. 70, 1981. FOWDEN, G. Empire to Commonwealth: consequences of monotheism in Late Antiquity. Princeton: Princeton University Press, 1993. CORASSIN, M. L. Romanização e marginalidade na África do Norte. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 5, n. 10, p. 157-165, 1985. COSMAE AEGYPTII MONACHI. Christiana Topographia. In: MIGNE, J. P. Patrologia Graeca. Paris: J. P. Migne, 1860. v. 88, p. 51-476. COSMAS INDICOPLEUSTES. Topographie chrétienne. In: WOLSKA CONUS, W. Cosmas Indicopleustès, Topographie chrétienne. Tome I. Paris: Du Cerf, 1968. COSMAS INDICOPLEUSTES. Topographie chrétienne. In: WOLSKA CONUS, W. Cosmas Indicopleustès, Topographie chrétienne. Tome II. Paris: Du Cerf, 1970. COSMAS INDICOPLEUSTES. Topographie chrétienne. In: WOLSKA CONUS, W. Cosmas Indicopleustès, Topographie chrétienne. Tome III. Paris: Du Cerf, 1973. COSTA, I. del N. da. Arraia-miúda: um estudo sobre os não-proprietários de escravos no Brasil. São Paulo: MGSP, 1992. CRUPI, M. C. A natureza nos livros didáticos de história: uma investigação a partir do PNLD. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós- -Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008. CUNHA, O. G. da; GOMES, F. dos S. (Org.). Quase-cidadão: histórias e antropologias da pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007. CÚRIA METROPOLITANA DE VITÓRIA. Livro de Batismo da Catedral. 1831-1889. CÚRIA METROPOLITANA DE VITÓRIA. Livro de Batismo de escravos da Catedral. L. 03, 1845-1859. CURTIN, P. The transatlantic slave trade. Madison: University of Wisconsin Press, 1969. DAEMON, B. C. Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística. Vitória: Secretaria de Estado da Cultura/APEES, 2010. DINIZ, M. E.; TAVARES, A.; CALDEIRA, A. M. História, 7º ano. Lisboa: Editorial O Livro, 1997. DINIZ, M. E.; TAVARES, A.; CALDEIRA, A. M. História, 7º ano. Lisboa: Editorial O Livro, 2002. DIOP, C. A. A origem dos antigos egípcios. In: MOKHTAR, G. (Org.). História geral da África: a África Antiga. São Paulo: Ática, 1983. v. 2, p. 39-70. DJAIT, H. As fontes escritas anteriores ao século XV. In: KI-ZERBO, J. (Org.). História geral da África: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: Unesco, 2010. v. 1, p. 77-104. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2018. D-MAPS.COM. Map Nile: hydrography, states, main cities, names. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2017. DOMBROWSKI, F. A. Ethiopia’s access to the sea. Leiden: Brill, 1985. DOMINGUES, P. A nova abolição. São Paulo: Selo Negro, 2008. DOMINGUES, P.; GOMES, F. dos S. Da nitidez e invisibilidade: legados da pós-emancipação no Brasil. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013a. DOMINGUES, P.; GOMES, F. dos S. (Org.). Experiências da emancipação: biografias, instituições e movimentos sociais na pós-abolição (1890- 1980). São Paulo: Selo Negro, 2011. DOMINGUES, P.; GOMES, F. dos S. História dos quilombos e memórias dos quilombolas no Brasil: revisitando um diálogo ausente na Lei 10.639/03. Revista da ABPN, v. 5, p. 5-28, 2013b. DREGUER, R.; TOLEDO, E. História: cotidiano e mentalidades. São Paulo: Atual, 1995. HERMIDA, A. J. B. Compêndio de História do Brasil. 54. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969. DUNCAN-JONES, R. P. City population in Roman Africa. The Journal of Roman Studies, London, v. 53, p. 85-90, 1963. DUNHAM, D.; MACADAM, M. F. L. Names and relationships of the Royal Family of Napata. The Journal of Egyptian Archaeology, v. 35, p. 139-149, 1949. ECO, U. História das terras e lugares lendários. Rio de Janeiro: Record, 2013. EDWARDS, D. N. The Nubian Past: an archaeology of Sudan. London: Routledge, 2004. EINSENBERG, P. L. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil – Séculos XVIII e XIX. Campinas: Unicamp, 1989. EISENBERG, P. L. Ficando livre: as alforrias em Campinas no século XIX (1987). In: EISENBERG, P. L. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil, séculos XVIII e XIX. Campinas: Editora da Unicamp, 1989. ENGEMANN, C. De laços e de nós. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008. ESPÍRITO SANTO (Província). Falla com que o exm. presidente da provincia do Espirito Santo, Wenceslau de Oliveira Bello, abriu a Assembléa Legislativa Provincial no dia 25 de maio de 1843. Rio de Janeiro: Typ. Americana de I.P. da Costa, 1843. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Falla com que o exm. vice-presidente da provincia do Espirito Santo, Joaquim Marcellino da Silva Lima, abrio a Assembléa Legislativa Provincial no dia 27 de maio de 1845. Rio de Janeiro: Typ. Imp. e Const. de J. Villeneuve e Comp., 1845a. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Falla com que o exm. vice-presidente da provincia do Espirito Santo, José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, abrio a Assembléa Legislativa Provincial no dia 23 de maio de 1844. Rio de Janeiro: Typ. Imp. e Const. de J. Villeneuve e Comp., 1845b. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Falla dirigida á Assembléa Legislativa da provincia do Espirito Santo na abertura da sessão ordinaria do anno de 1846 pelo exm. vice-presidente da mesma provincia, Joaquim Marcellino da Silva Lima. Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de F.M. Ferreira, 1846. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Falla que o ex.mo presidente da provincia do Espirito Santo dirigio á Assembléa Legislativa Provincial no dia 1.o de abril de 1840. Rio de Janeiro: Typ. do Diário, de N. L. Vianna, 1839. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Relatorio com que o exm. sr. dr. Sebastião Machado Nunes, presidente da provincia do Espirito Santo abriu a sessão ordinaria da respectiva Assembléa Legislativa no dia vinte e cinco de maio do corrente anno. Victoria: Typ. Capitaniense de P.A. d’Azeredo, 1854. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Relatório com que o Exmo. Sr. Presidente da Província do Espírito Santo, o Doutor José Mauricio Fernandes Pereira de Barros, passou a administração da Província ao Exmo. Sr. Comendador, José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, segundo Vice-Presidente, no dia 13 de fevereiro de 1857. Victoria: Typ. Capitanense de P. A. d’Azeredo, 1857. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Relatorio do presidente da provincia do Espirito Santo, o bacharel Pedro Leão Velloso, na abertura da Assembléa Legislativa Provincial no dia 25 de maio de 1859. Victoria: Typ. Capitaniense de Pedro Antonio d’Azeredo, 1859. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Relatorio do presidente da provincia do Espirito Santo, o doutor Luiz Pedreira do Coutto Ferraz, na abertura da Assembléa Legislativa Provincial no dia 1.o de março de 1848. Rio de Janeiro: Typ. do Diario de N.L. Viana, 1848a. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Relatorio do presidente da provincia do Espirito Santo, o doutor Luiz Pedreira do Coutto Ferraz, na abertura da Assembléa Legislativa Provincial no dia 23 de maio de 1847. Rio de Janeiro: Typ. do Diario de N.L. Vianna, 1848b. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. ESPÍRITO SANTO (Província). Relatorio que o exm. presidente da provincia do Espirito Santo, o bacharel José Bonifacio Nascentes d’Azambuja, dirigiu a Assembléa Legislativa da mesma provincia na sessão 181 ordinaria de 24 de maio de 1852. Victoria: Typ. Capitaniense de P.A. de Azeredo, 1852. Disponível em: . Acesso em: 1º abr. 2017. FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008. FARIA, S. de C. A colônia em movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998. FARIAS, P. F. de M. Afrocentrismo: entre uma contra-narrativa histórica universalista e o relativismo cultural. Revista Afro-Ásia, n. 29-30, p. 317-343, 2003. FERNANDES, J. R. O. O Brasil contado às crianças: Viriato Correia e a literatura escolar para o ensino de história (1934-1961). Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. FILGUEIRAS, J. M. Os processos de avaliação de livros didáticos no Brasil (1938-1984). 2011. 263 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011. FLORENTINO, M. Em costas negras: uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro: séculos XVIII e XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. FLORENTINO, M. G. Sobre a lógica demográfica da plantation no Brasil, 1789-1850. In: CAMPOS, A. P.; SILVA, G. V. (Org.). O siste- 182 ma escravista lusobrasileiro e o cotidiano da escravidão. Vitória: GM, 2011. p. 45-73. FLORENTINO, M. G.; GÓES, J. R. A paz das senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c. 1790-c.1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997. FLORENTINO, M. Tráfico, cativeiro e liberdade: Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. FRAGA FILHO, W. Encruzilhadas da liberdade: história de escravos e libertos na Bahia (1870-1910). Campinas: Unicamp, 2006. FRANCO, A. P. Apropriação docente dos livros didáticos de história das séries iniciais do ensino. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009. FREITAS, I. História regional para a escolarização básica no Brasil: o livro didático em questão (2006/2009). São Cristovão: UFS, 2009. FREYRE, G. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 25. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1987. FREYRE, G. Sobrados e mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 12. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000. FUNDAÇÃO DE APOIO À FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (Org.). Programa ética e cidadania: construindo valores na escola e na sociedade: relações étnico-raciais e de gênero. Equipe de elaboração: Ulisses F. Araújo et al. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. GASPARELLO, A. Construtores de identidades: os compêndios de história do Brasil do Colégio Pedro II (1838-1920). Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002. GATTI JUNIOR, D. A escrita escolar da história: livro didático e ensino de história no Brasil (1970-1990). Bauru, SP: Edusc, 2004. GILROY, P. Entre campos: nações, cultura e fascínio da raça. Tradução de Célia Maria Marinho de Azevedo e outros. São Paulo: Annablume, 2007. GILROY, P. O Atlântico Negro. Rio de Janeiro: 34, 2001. GINZBURG, C. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. GOLDSTONE, J. A.; HALDON, J. F. Ancient States, empires, and exploitation: problems and perspectives. In: MORRIS, I; SCHEIDEL, W. The dynamics of ancient empires: state power from Assyrian to Byzantium. Oxford: Oxford University Press, 2009. p. 3-29. GOMES, F. Cidadãos e escravos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 8 mar. 2018. GOMES, F. dos S. Do escravo-coisa ao negro-massa: a escravidão nos estudos de relações raciais no Brasil. In: VILLAS-BOAS, G.; MAIO, M. C. (Org.). Ideais de modernidade e a sociologia no Brasil: contribuição do pensamento de L. A. Costa Pinto. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1999. GOMES, F. dos S. A Hydra e os pantânos: mocambos, quilombos e comunidades de fugitivos no Brasil escravista (séc. XVII-XIX). São Paulo: Polis, 2005. GOMES, F. dos S. Escravidão. In: SANSONE, L.; FURTADO, C. A. (Org.). Dicionário crítico das Ciências Sociais dos países de fala oficial portuguesa. Salvador: EDUFBA, 2014. v. 1, p. 165-186. GOMES, F. dos S. Histórias de quilombolas: mocambos e comunidades de senzalas – Rio de Janeiro, Século XIX. São Paulo: Cia. das Letras, 2006. GOMES, F. dos S. Paisagens, cenários e memórias: roceiros e camponeses na escravidão e na pós-emancipação no Brasil. In: CAMPOS, A. P.; SILVA, G. V. da (Org.). A escravidão atlântica: do domínio sobre a África aos movimentos abolicionistas. Vitória: GM, 2011. p. 73-90. GOMES, N. L. (Org.). Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei 10.639/2003. Brasília: Mec/ Unesco, 2012. GOMES, N. L.; JESUS, R. E. As práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei 10.639/2003: desafios para a política educacional e indagações para a pesquisa. Educar em Revista, n. 47, p. 19-33, 2013. GONÇALVES, M. A. R. A cultura afro-brasileira e a escola. In: GONCALVES, M. A. R.; ASSIS, M. de P. Educação, cultura e literatura afro- -brasileira: contribuições para a discussão da questão racial na escola. Rio de Janeiro: Quartet, 2007. GOULART, M. A escravidão africana no Brasil: das origens à extinção do tráfico. São Paulo: Livraria Martins, 1949. GOZALBES CRAVIOTO, E. Tumultos y resistencia indígena en Mauretania Tingitana. Gerión, Madrid, n. 1, v. 20, p. 451-485, 2002. GRAHAM, R. A família escrava no Brasil colonial. In: GRAHAM, R. Escravidão, reforma e imperialismo. São Paulo: Perspectiva, 1979. GRAHAM, S. L. Proteção e obediência: criadas e patrões no Rio de Janeiro. 1860-1910. São Paulo: Cia. das Letras, 1992. GRAJETZKI, W. Tomb treasures of Late Middle Kingdom: The Archaeology of emale burials. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2013. GRIMAL, P. O Império Romano. Lisboa: Edições 70, 1993. GRINBERG, K. Re-escravização, direitos e justiças no Brasil do século XIX. In: LARA, S. H.; MENDONÇA, J. M. N. (Org.). Direitos e justiças no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2006. p. 101-128. GRINBERG, K. Senhores sem escravos: a propósito das ações de escravidão no Brasil imperial. In: CARVALHO, J. M. de; NEVES, L. M. B. P. das (Org.). Repensando o Brasil do Oitocentos: cidadania, política e liberdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 415-435. GRUPO DE TRABALHO ANDRÉ REBOUÇAS. Em busca de um espaço. Encontro Nacional Afro-Brasileiro. Rio de Janeiro, 29 jun. a 1º ago. 1982. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, n. 8-9, p. 64-66, 1983. GUARINELLO, N. L. Uma morfologia da história: as formas da história Antiga. Politeia, v. 3, n. 1, p. 41-61, 2003. GUEDES, R. Egressos do cativeiro: trabalho, família e aliança e mobilidade social – Porto Feliz, São Paulo, c. 1798-c.1850. Rio de Janeiro: MauadX/ Faperj, 2008. GUGLIELMO, A. R. A pré-história: uma abordagem ecológica. São Paulo: Brasiliense, 1991. GUIMARÃES, C. M. Uma negação da ordem escravista: quilombos em Minas Gerais no século XVIII. São Paulo: Ícone, 1988. GUIMARÃES, E. S. Múltiplos viveres de afrodescendentes na escravidão e no pós-emancipação: família, trabalho, terra e conflito ( Juiz de Fora, MG, 1828-1928). São Paulo: AnnaBlume, 2006. GUTIÉRREZ, H. Crioulos e africanos no Paraná, 1798-1830. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 8, n. 16, p. 161-188, mar./ago. 1988. HARKLESS, N. D. Nubian pharaohs and meroitic kings, the Kingdom of Kush. Bloomington: AuthorHouse, 2010. HARRISON, S. J. Apuleius: a Latin sophist. New York: Oxford University, 2000. HASENBALG, C. A. Alguns aspectos da história social do negro pós-abolição. In: CUNHA, M. de O. et al. (Org.). Caderno de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense, 1976. HATKE, G. Aksum and Nubia: warfare, commerce, and political fictions in ancient northeast Africa. New York: New York University Press, 2013. HELIODORO. Las Etiópicas o Teágenes y Caricleia. Madrid: Editorial Gredos, 1979. 64 KOSMAS INDIKOPLEUSTES. Christliche Topografie. In: SCHNEIDER, H. Kosmas Indikopleustes, Christliche Topographie. Turnhout: Brepols, 2010. HENZE, P. B. Layers of time: a history of Ethiopia. London: C. Hurst and Co. Publishers, 2000. HIDALGO DE LA VEGA, M. J. Algunas reflexiones sobre los límites del olkoumene en el Imperio Romano. Gerión, Madrid, v. 23, n. 1, p. 271-285, 2005. HIDALGO DE LA VEGA, M. J. Sociedad e ideología en el Império Romano: Apuleyo de Madaura. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca, 1986. HINGLEY, R. O imperialismo romano: novas perspectivas a partir da Bretanha. São Paulo: Annablume, 2010. HISTORIA AUGUSTA. Translated by J. David Magie. London: Loeb Classical Library, 1921. HOLLANDA, S. B. de et al. História do Brasil: estudos sociais (das origens à independência). 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1973. HOOKER, J. T. Lendo o passado. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996. HUSKINSON, J. Elite culture and the identity of empire. In: HUSKINSON, J. (Org.) Experiencing Rome: culture, identity and power in the Roman empire. New York: Routledge, 2000a. p. 95-124. HUSKINSON, J. Looking for culture, identity and power. In: HUSKINSON, J. (Org.). Experiencing Rome: culture, identity and power in the Roman empire. New York: Routledge, 2000b. p. 3-28. INIKORI, J. Forced migration: the impact of the export slave trade on African societies. London: Hutchinson, 1982. INSCRIPTIONS LATINES DE L’ALGÉRIE. Recueillie et publiée par Stéphane Gsell. Paris: Librairie Ancienne Honoré Champion, 1922. INSCRIPTIONS OF ROMAN TRIPOLITANIA. Rome: British School at Rome, 1952. ITINERARIUM ANTONINI. Roma: Imprensis Friderici Nicolai, 1877. JESUS, A. D. R. de. De porta adentro a porta afora: trabalho escravo nas freguesias do Espírito Santo (1850-1871). 2009. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2009. JOHANSON, D. C.; EDEY, M. A. Lucy: os primórdios da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand-Brasil, 1996. KARASCH, M. A vida dos escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850. São Paulo: Cia. das Letras, 2000. KEITA, B. N. História da África negra. Luanda: Texto, 2013. KI-ZERBO, J. História da África negra. São Paulo: Europa-América, 1972. KLEIN, H. S. Os homens livres de cor na sociedade escravista brasileira. Rio de Janeiro: IUPERJ, 1978. KLEIN, H. S.; LUNA, F. V. Escravismo no Brasil. São Paulo: Edusp, 2010. KOBISCHANOV, Y. M. Axum do século I ao século IV: economia, sistema político e cultura. In: MOKHTAR, G. História geral da África: África Antiga. São Paulo: Cortez, 2011. v. 2, p. 399-423. KOBISCHANOV, Y. M. Axum. University Park: Pennsylvania State University Press, 1979. KOMINKO, M. The world of Kosmas: Illustrated Byzantine Codices of the Christian Topography. Cambridge: Cambridge University Press, 2013. KOSHIBA, L.; PEREIRA, D. M. F. História do Brasil. 3. ed. São Paulo: Atual, 1980. LAEMMERT, E. (Org.). Almanak administrativo, mercantil e industrial da Corte e Província do Rio de Janeiro para o anno bissexto de 1852. Rio de Janeiro: Editores-proprietários Eduardo e Henrique Laemmert, 1852. LEAKEY, R. A origem da espécie humana. Rio de Janeiro: Rocco, 1995. MEULEAU, M. Égypte, Orient, Gréce. Paris: Bordas, 1963. LECLANT, J. O Império de Kush: Napata e Méroe. In: MOKHTAR, G. História geral da África. São Paulo: Cortez, 2011. v. 2, p. 273-295. LEVI DELLA VIDA, G. Le iscrizioni neopuniche della Tripolitania. Rivista della Tripolitania, Roma, n. 3, p. 91-116, 1927. LIMA NETO, B. M. Bandidos e elites citadinas na África romana: um estudo sobre a formação de estigmas com base nas Metamorphoses de Apuleio de Madaura (século II). 2011. 172 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História do Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011. LIMA, M. A África na sala de aula. Nossa Historia, ano 1, n. 4, fev. 2004. LIMA, S. G. de. A questão étnico-racial na formação continuada de professores da escola básica: uma análise de quatro Núcleos de Estudos Afrobrasileiros do estado do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. LINEBAUGH, P.; REDIKER, M. A hidra de muitas cabeças: marinheiros, escravos, plebeus e a história oculta do Atlântico revolucionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. LOBO, R. H. História do Brasil. 1ª Série. Curso Ginasial. 8. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1959. LOVEJOY, P. A escravidão na África: uma história de suas transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. LOVEJOY, P. Identidade e a miragem da etnicidade. Afro-Ásia, n. 27, p. 9-39, 2002. M’BOKOLO, E. África negra: história e civilizações (até o século XVIII). Lisboa: Vulgata, 2003. MACEDO, J. R. História da África. São Paulo: Contexto, 2013. MACEDO, J. R.; OLIVEIRA, M. W. Uma História em Construção, v. 3. São Paulo: Editora do Brasil, 1999. MACHADO, C. A trama das vontades: negros, pardos e brancos na produção da hierarquia social. (São José dos Pinhais - PR, passagem do XVIII para o XIX). 2006. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. MACHADO, M. H. P. T. Em torno da autonomia escrava: uma nova direção para a história social da escravidão. Revista Brasileira de História, v. 8, n. 16, p. 143-160, mar./ago. 1988. MAGALHÃES, B. de. História do Brasil: para a terceira série dos cursos clássico e científico. 3. ed. Rio de Janeiro: Paulo de Azevedo, 1953. MAHJOUBI, A. O período romano e pós-romano na África do Norte. In: MOKHTAR, G. (Coord.). História geral da África. São Paulo: Ática, 1985. p. 473-509. MALHEIRO, A. M. P. A escravidão no Brasil: ensaio histórico-jurídico-social. Parte 1a. (Jurídica): Direito sobre os escravos e libertos. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1866. MANGO, M. M. Byzantine trade: local, regional, interregional and international. In: MANGO, M. M. Byzantine trade, 4th-12th centuries: the archaeology of local, regional and international exchange. Farnham: Ashgate Publishing, 2009. p. 3-14. MANIMANIS, V. N.; THEODOSIOU, E.; DIMITRIJEVIC, M. S. The contribution of Byzantine men of the church in Science Cosmas Indicopleustes (6TH Century). European Journal of Science and Theology, v. 9, n. 2, p. 19-29, 2013. MARLEY, Z. Introduction. In: HAUSMAN, G. The Kebra Nagast: the lost Bible of Rastafarian wisdom and Faith from Ethiopia and Jamaica. New York: Macmillan, 2011. p. 7-10. MARQUESE, R. de B. Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o controle de escravos nas Américas, 1680-1880. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. MARQUESE, R. de B.; PARRON, T. P. Azeredo Coutinho, Visconde de Araruama e a memória sobre o comércio dos escravos de 1838. Revista de História, n. 152, p. 99-126, 2005. MARTINS, M. G. Imigrações, racismo e xenofobia em Portugal (1974- 2002). Africana, n. 25, p. 71-90, 2002. MARTINS, M. G. Migrações internacionais e aumento do racismo e da xenofobia na União Européia. Africana, n. 16, p. 75-90, mar. 1996. MARTINS, R. L. M. Os caminhos da liberdade: abolicionistas, escravos e senhores na Província do Espírito Santo (1884-1888). Campinas: Unicamp, 2005. MÁSCULO, J. C. A coleção de Sérgio Buarque de Hollanda: livros didáticos e ensino de história. 2008. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. MATTINGLY, D. J. From one colonialism to another: imperialism and the Maghreb. In: COOPER, N.; WEBSTER, J. (Ed.). Roman imperialism: post-colonial perspectives. Leicester: University of Leicester, 1996. p. 49-69. MATTINGLY, D. J. Libyans and the limes: culture and society in Roman Tripolitania. Antiquités africaines, n. 23, p. 71-94, 1987. MATTINGLY, D. J. Tripolitania. Michigan: University of Michigan, 1994. MATTOS, H. M. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista – Brasil, séc. XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998. MATTOS, H. M.; RIOS, A. M. L. Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pós-abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. MATTOS, H. M.; RIOS, A. M. O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas. Topoi, Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, p. 170-198, jan./jun. 2004. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2018. MATTOS, H.; ABREU, M. Em torno das diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana: uma conversa com historiadores. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 21, p. 5-20, 2008. MATTOS, S. R. de. Brasil em lições: a história do ensino de história do Brasil no Império através dos manuais de Joaquim Manuel de Macedo. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Estudos Avançados em Educação, Departamento de Filosofia da Educação, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1993. MATTOS, S. R. Para formar os brasileiros: o compêndio da história de Abreu e Lima e a expansão para dentro do Império do Brasil. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2007. MATTOS, W. R.; GOMES, F. dos S. Em torno de Áfricas no Brasil: bibliografias, políticas públicas e formas de ensino de história. In: FEITOSA, L. C.; FUNARI, P. P.; ZANLOCHI, T. S. (Org.). As veias negras do Brasil: conexões brasileiras com a África. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração, 2012. MEDEIROS, D. H. de. A formação da consciência histórica como objetivo do ensino de história no ensino médio: o lugar do material didático. 2005. 194 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2005. MEKONNEN, Y. Ethiopia: the land, its people, history and culture. Pretoria: New Africa Press, 2013. MELO, C. F. C. B. Senhores da história: a construção do Brasil em dois manuais de história na segunda metade do século XIX. 1997. 295 f. Tese 266 (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997. MENDES, N. M. Romanização e as questões de identidade e alteridade. Boletim do CPA, Campinas, n. 11, p. 25-42, 2001. MERLO, P. M. S. O nó e o ninho: estudo sobre a família escrava em Vitória, Espírito Santo, 1800-1871. 2008. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. MILLAR, F. El Imperio Romano y sus pueblos limítrofes. Madrid: Siglo XXI, 1997. MINTZ, S. W. Caribbean Transformations. Chicago: Aldine Publishing Company, 1974. MINTZ, S. W. Slavery and rise of peasantry. Historical Reflections, v. 6, n. 1, p. 215-242, 1979. MOCELLIN, R. A história crítica da nação brasileira. 7. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 1987. MOKHTAR, G. (Org.). História geral da África: a África Antiga. São Paulo: Ática, 1983. MOKHTAR, G. (Org.). História geral da África: África Antiga. Brasília: Unesco, 2010. v. 2. MONTEIRO, J. M. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. MONTELLATO, A.; CABRINI, C.; CATELLI, R. História Temática: tempos e culturas, 5ª série. São Paulo: Scipione, 2000. MOREIRA, K. H. O ensino de história do Brasil no contexto republicano de 1889 a 1950 pelos livros didáticos: análise historiográfica e didático-pedagógica. 2011. 234 p. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011. MOREIRA, P. R. S. Os cativos e os homens de bem: experiências negras no espaço urbano. Porto Alegre: EST, 2003. MORKOT, R. Egypt and Nubia. In: ALCOCK, S. E. et al. Empires: perspectives from Archaeology and History. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 227-249. MORRIS, I.; SCHEIDEL, W. The dynamics of ancient empires. Oxford: Oxford University Press, 2009. MOTTA, M. Ilha da Marambaia: história e memória de um lugar. In: GUIMARÃES, E. S.; MOTTA, M. M. M. (Org.). Campos em disputa: história agrária e companhia. São Paulo: Annablume, 2007. MOTTA, M.; GOMES, F. dos S. Terras e territórios da liberdade: notas de pesquisas sobre posseiros, camponeses negros e remanescentes de quilombos. In: MOTTA, J. F. Corpos escravos, vontades livres: posse de cativos e família escrava em Bananal (1801-1829). São Paulo: Annablume, 1999. MUDIMBE, V. Y. A invenção da África: gnose, filosofia e a ordem do conhecimento. Portugal: Edições Pedago, 2013. MUNAKATA, K. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. 1997. 223 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997. MUNGUÍA, S. S. Introducción general. In: APULEYO. Apología y Flórida. Madrid: Gredos, 1980. p. 7-49. MUSSUMECI, V. História do Brasil. 45. ed. São Paulo: Editora do Brasil, 1961. NASCIMENTO, A. Jornada negro-libertária. Rio de Janeiro: Ipeafro, 1981. NEVES, E. F. Escravismo e policultura. Clio Revista de Pesquisa Histórica, Recife, n. 15, p. 73-98, 1994. NEVES, P. A. À Descoberta da História, 7. Porto: Porto, 1991. NOTÍCIAS particulares. Jornal do Commercio, Rio do Janeiro, ano 2, v. III, n. 161, p. 3-4, 17 abr. 1828. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2018. NUMISMATIQUE DE L’ANCIENNE AFRIQUE. Copenhague: Bianco Luno, 1861. NUNES, V. O negro nos meios de comunicação social. In: CUNHA, M. de O. et al. (Org.). Caderno de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 1976. OBENGA, T. Fontes e técnicas específicas da história da África: panorama geral. In: KI-ZERBO, J. (Org.). História geral da África: metodologia e pré-história da África. 2. ed. Brasília: Unesco, 2010. v. 1, p. 59-75. Disponível em: . Acesso em: 2 fev. 2018. OFCANSKY, T. P; SHINN, D. H. Historical dictionary of Ethiopia. Oxford: Scarecrown Press, 2004. OLIVA, A. R. A África como berço da humanidade: o debate sobre a anterioridade africana e seus reflexos nos livros didáticos brasileiros. In: CAMPOS, A. P.; SILVA, G. V. (Org.). Os reinos africanos na Antiguidade e Idade Média: uma história para ser (re)contada. Vitória: GM, 2011. p. 7-22. OLIVA, A. R. A África não está em nós: a história africana no imaginário de estudantes do Recôncavo Baiano. Fronteiras, Dourados, v. 11, n. 20, p. 73-91, jul./dez. 2009a. OLIVA, A. R. A história africana nas escolas: entre abordagens e perspectivas. Educação Africanidades Brasil, Brasília, v. 1, p. 87-107, 2006. OLIVA, A. R. A História da África nos bancos escolares: representações e imprecisões na literatura didática. Estudos Afro-Asiáticos, v. 25, n. 3, p. 322-358, 2003. OLIVA, A. R. De indígena a imigrante: o lugar da África e dos africanos no universo imaginário português dos séculos XIX ao XXI. Sankofa: Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana, São Paulo, n. 3, p. 32-51, jun. 2009b. 238 OLIVA, A. R. Entre máscaras e espelhos: reflexões sobre a identidade e o ensino de história da África nas escolas brasileiras. Revista História Hoje (ANPUH), v. 1, n. 1, p. 29-44, 2012. OLIVA, A. R. Lições sobre a África: diálogos entre as representações dos africanos no imaginário Ocidental e o ensino da história da África no Mundo Atlântico (1990-2005). 2007. 415 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade de Brasília, 2007. OLIVA, A. R. Os negros e os africanos nos livros didáticos de história: entre representações e esquecimentos. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES DO ENSINO DE HISTÓRIA, 6., 2003, Londrina. Resumos dos trabalhos. Londrina, 2003. Formato digital. OLIVA, A. R. Uma história esquecida: a abordagem da África Antiga nos manuais escolares de história – estudos de caso no Brasil e em Portugal (1990-2005). Em Tempo de Histórias, Brasília, n. 12, p. 184-200, 2008. OLIVEIRA, A. R.; CANTANHEDE, F.; MENDONÇA, M. O. História, 7. Cacém: Texto, 2002. OLIVEIRA, A. R. et al. História, 8. Lisboa: Texto, 2002. OLIVEIRA, I.; GONÇALVES, M.; MÜLLER, T. (Org). Curso ERER. Niterói: Alternativa, 2010. OLIVEIRA, J. T. de. História do estado do Espírito Santo. Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2008. OLIVEIRA, M. A. de. O negro no ensino de história: temas e representações. 2000. 191 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. OLIVEIRA. M. S. A representação dos negros em livros didáticos de história: mudanças e permanências após a promulgação da Lei 10.639/03. 2009. 128 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009. OLIVER, R. A experiência africana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1984. PAIM, M. Dos hominídeos ao homo sapiens: as pesquisas sobre a cor da pele e a utilização de suas informações no ensino da história da África como uma alternativa à desconstrução de mitos raciais. Em Tempo de Histórias, n. 22, p. 136-156, 2013. PAIXÃO, M.; CARVANO, L. M. (Org.). Relatório anual das desigualdades raciais no Brasil: 2007-2008. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2008. PAIXÃO, M.; CARVANO, L. M. Oficina de indicadores sociais: ênfase em relações raciais. Rio de Janeiro: IE/UFRJ, 2007. PAIXÃO, M.; GOMES, F. dos S. Raça, pós-emancipação, cidadania e modernidade no Brasil: questões e debates. Maracanan, v. 4, p. 171-194, 2008a. PAIXÃO, M.; GOMES, F. dos S. Razões afirmativas: relações raciais, pós- -emancipação e história. Interesse Nacional, v. 3, p. 39-46, 2008b. PALACIOS, G. A Guerra dos Maribondos: uma revolta camponesa no Brasil escravista – Pernambuco, 1851-1852. Primeira Leitura. História: Questões & Debates, Curitiba, v. 10, n. 18 e 19, p. 7-75, jun./dez. 1989. PALACIOS, G. Campesinato e escravidão: uma proposta de periodização para a história dos cultivadores pobres livres no Nordeste Oriental do Brasil, c. 1700-1875. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 30, n. 3, 1987. PAULA, J. L. O. A escravidão negra nos livros didáticos de ensino médio. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Severino Sombra, Vassouras, 2004. PEREIRA, J. B. B. O negro no rádio e na televisão brasileira. Cadernos de Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, n. 8, 9, 1983. PEREIRA, V. Ao soberano Congresso: direitos do cidadão na formação do Estado Imperial brasileiro (1822-1831). São Paulo: Alameda, 2010. PETIT, P. A paz romana. São Paulo: Edusp, 1989. PHILLIPSON, D. W. African Archaeology. Cambridge: Cambridge University Press, 2005. PHILLIPSON, D. W. Aksum, the entrepot, and highland Ethiopia, 3rd – 12th centuries. In: MANGO, M. M. Byzantine trade, 4th-12th centuries: the archaeology of local, regional and international Exchange. Farnham: Ashgate Publishing, 2009. p. 353-368. PHILLIPSON, D. W. Foundations of an African Civilization: Aksum 68 & The Nothern Horn, 1000 BC – AD 1300. Addis Ababa: Addis Ababa University Press, 2014. PILETTI, N.; PILETTI, C. História e vida – Brasil: da pré-história à Independência. 13. ed. São Paulo: Ática, 1993. PILETTI, N.; PILETTI, C. História e Vida Integrada, 5ª série. São Paulo: Ática, 2002. PILETTI, N.; PILETTI, C.; TREMONTE, T. História e Vida Integrada, 6º ano. São Paulo: Ática, 2009. PINA, M. C. D. A escravidão no livro didático de história: três autores exemplares (1890-1930). Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009. PINTO JUNIOR, A. Professor Joaquim Silva, um autor da história ensinada do Brasil: livros didáticos e educação moderna dos sentidos (1940- 1951). Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010. PIOVANELLI, P. Reconstructing the social and cultural history of the aksumite kingdom: some methodological reflections. In: DIJKSTRA, J. H. F.; FISCHER, G. Inside and Out: interactions between Rome and the peoples on the Arabian and Egyptian frontiers in Late Antiquity. Leuven: Peeters, 2014. p. 329-350. POPE, J. W. The double kingdom under Taharqo: studies in the history of Kush and Egypt, c. 690 664 BC. Leiden: Brill, 2014. PORTUGAL. Ministério da Educação. Direcção Geral dos Ensinos Básico e Secundário. Programa de História do Ensino Básico, 3º Ciclo (Plano de Organização do Ensino-Aprendizagem). Lisboa, 1999. v. 2. PORTUGAL. Ordenações Filipinas, Livro 4. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2018. QUEIROZ, S. R. R. de. Rebeldia escrava e historiografia. Estudos Econômicos, v. 17, número especial, 1987. QUINN, J. C. The reinvention of Lepcis. Bollettino di Archeologia on line, Roma, n. 330, p. 52-69, 2010. Disponível em: www.archeologia.beniculturale.it. Acesso em: 12 jan. 2012. RAVEN, S. Rome in Africa. London and New York: Routledge, 1993. REBELO, C.; LOPES, A. História, 7. Lisboa: Didáctica, 2002. REIS, I. C. F. A vida familiar e afetiva dos escravos na Bahia do século XIX. Salvador: Centro de Estudos Baianos da UFBA, 2005. REIS, J. J. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos Malês (1835). Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. REIS, J. J.; GOMES, F. dos S. (Org.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1996. REYNOLDS, J. Cyrenaica. In: BOWMAN, A. K.; GARNSEY, P.; RATHBONE, D. (Org.). The Cambridge ancient history: the high empire. Cambridge: Cambridge University, 2000. p. 547-558. RIBEIRO, G. L. Enlaces e desenlaces: família escrava e reprodução endógena no Espírito Santo (1790-1871). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012. RIBEIRO, R. R. Colônia(s) de identidades: discursos sobre a raça nos manuais escolares de história do Brasil. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004. RIBEYROLLES, C.; FROND, V. Brazil pitoresco: historia, descripções, viagens, instituições, colonisação. Tomo III. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1859. ROCHA, A. C. História e cultura afro-brasileira: Lei 10.639/2003 como um caminho para formação docente. In: CAMARGO, M. A. S. (Org.). Mosaico de vivências acadêmicas. Cruz Alta/Santa Maria: Unicruz/Palotti, 2012. RODRIGUES, J. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. RODRIGUES, J. E. História em Documento, Imagem e Texto, 6º ano. São Paulo: FTD, 2009. SANDY, G. The Greek world of Apuleius. New York: Brill, 1997. SANTANNA, L. de A. O negro na historiografia capixaba: a presença negra na obra de Maria Stella de Novaes. Dimensões: Revista de História da Ufes, Vitória, v. 11, p. 301-306, jul./dez. 2000. SANTOS, B. de S. (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2006. SANTOS, J. R. História do Brasil: 2º Grau. São Paulo. FTD, 1979. SANTOS, M. J. V. História do Brasil. 21. ed. São Paulo: Ática, 1986. SANTOS, S. A. dos. A Lei nº 10.639/03 como fruto da luta anti-racista do Movimento Negro. In: BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília, 2005. SARAIVA, J. F. S. Formação da África contemporânea. São Paulo: Atual, 1987. SCHMIDT, M. Nova História Crítica, 5ª série. São Paulo: Nova Geração, 2002a. SCHMIDT, M. Nova História Crítica, 6ª série. São Paulo: Nova Geração, 2002b. SCHNEIDER, H. Kosmas Indikopleustes, Christliche Topographie. Turnhout: Brepols, 2010. SCHWARTZ, S. B. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru: EDUSC, 2001. SCHWARTZ, S. B. Mocambos, quilombos e palmares: a resistência escrava no Brasil colonial. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 17, número especial, 1987. SCHWARTZ, S. B. Padrões de propriedade de escravos nas Américas: nova evidência para o Brasil. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 259-287, 1983. SCHWARTZ, S. B. Resistance and accommodation in eighteenth- -century Brazil: the slaves view of slavery. Hispanic American Historical Review, v. 57, n. 1, p. 69-81, 1977. SCHWARTZ, S. B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial – 1550-1835. São Paulo: Cia. das Letras, 1988. SHAFER, B. (Org.). As religiões no Egito Antigo. São Paulo: Nova Alexandria, 2002. SHERIF, N. D. M. A Núbia antes de Napata (3100 a 750 antes da Era Cristã). In: MOKHTAR, G. História geral da África. São Paulo: Cortez, 2011. v. 2, p. 235-272. SHINNIE, P. L. The Nilotic Sudan and Ethiopia, c. 660 BC – AD 600. In: FAGE, J. D.; OLIVER, R. The Cambridge History of Africa. c. 500 BC to AD 1050. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. v. 2, p. 210-271. SILVA FILHO, J. B. da. Representações sobre os negros nos discursos verbais e iconográficos de livros didáticos de história. 2005. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2005. SILVA, A. C. L.; GOMES, F. dos S. A Lei 10.639/03 e a patrimonialização da cultura: quilombos, Serra da Barriga – primeiros percursos. Teias, Rio de Janeiro, v. 14, p. 92-101, 2013. SILVA, A. da C. e. A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. SILVA, A. da C. e. Imagens da África. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. SILVA, A. da C. e. Um rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003. SILVA, A. L. O ensino de história, África e a cultura afro-brasileira na educação básica: diálogos possíveis. In: COSTA, L. G. (Org.). História e cultura afro-brasileira: subsídios para a prática da educação sobre relações étnico-raciais. Maringá: EDUEM, 2010. SILVA, E. A função ideológica da brecha camponesa. In: REIS, J. J.; SILVA, E. Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia. das Letras, 1989. p. 22-31. SILVA, F. de A. História do Brasil colônia. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1990. SILVA, G. V. da. A África na Antiguidade. In: CAMPOS, A. P.; SILVA, G. V. da. Da África ao Brasil: itinerários históricos da cultura negra. Vitória: Flor&Cultura, 2007. p. 14-41. SILVA, G. V. da. A formação dos cidadãos do céu: João Crisóstomo e a christon paideia. Acta Scientiarum, Maringá, v. 32, n. 1, p. 7-17, 2010. SILVA, J. C. da. Memoria topographica e histórica sobre os Campos dos Goitacazes, com uma notícia breve de suas producções e commercio oferecida ao muito poderoso Rey e senhor nossos D. João VI por um natural do pays. Rio de Janeiro: Impressão Regia, 1819. SILVA, J. História do Brasil para o quarto ano ginasial. 27. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1950. SILVA, M. A. C. da. Um espírito imparcial e as paisagens mais belas: considerações acerca da repercussão das imagens do álbum Brasil Pitoresco de Victor Frond e Charles Ribeyrolles. Revista de História da Arte e Arqueologia, n. 13, p. 93-108, jan./jul. 2010. SILVA, M. P. T. D. P. Macaé: um esboço histórico e genealógico: a freguesia de N. Sra. do Desterro do Capivari. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2015. SILVA, P. R. P. da. A casa de suplicação do Brasil. Rio de Janeiro: Imprenta, 1992. SILVA, P. V. B. da. Racismo discursivo na mídia: pesquisas brasileiras e movimentação social. In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE ESTUDIOS DEL DISCURSO, 6., 2005, Santiago (Chile). Anais eletrônicos... Disponível em: Acesso em: 3 nov. 2014. SILVA, V. R. e. Concepções de história e de ensino em manuais para o ensino médio brasileiros, argentinos e mexicanos. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. SLEMIAN, A. Sob o império das leis: constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. SLENES, R. Senhores e subalternos no Oeste paulista. In: ALENCASTRO, L. F. de (Org.). História da vida privada no Brasil Império: a Corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 233-290. SLENES, R. W. Histórias do cafundó. In: FRY, P.; VOGT, C.; SLENES, R. Cafundó: a África no Brasil – linguagem e sociedade. São Paulo: Cia. das Letras, 1996. SLENES, R. W. Lares negros, olhares brancos: histórias da família escrava no século XIX. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 8, n. 16, p. 189- 203, mar./ago. 1988. SLENES, R. W. Na senzala uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. SLENES, R. W. Senhores e subalternos no oeste paulista. In: ALENCASTRO, L. F. (Org.). História da vida privada: Império – a Corte e a modernidade nacional. São Paulo: Cia. das Letras, 1997. SOARES, L. C. O povo de Cam na capital do Brasil: a escravidão urbana no Rio de Janeiro do século XIX. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007. SOARES, M. de C. Devotos da cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. SOARES, M. de S. Ad pias causas: as motivações religiosas na concessão das alforrias (Campos dos Goitacases, 1750-1830). Caderno de Ciências Humanas – Especiaria, v. 10, n. 18, p. 389-425, jul./dez. 2007. SODRÉ, M. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes, 2002. SOUZA, M. M. Algumas impressões e sugestões sobre o ensino de história da África. História Hoje, v. 1. n. 1, p. 17-28, 2012. SOUZA, M. M. de. Concepções de livros didáticos entre convergências e divergências. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009. TABULA PEUTINGERIANA. Cura di Francesco Prontera. Roma: Leo S. Olschki Editore, 2003. Obras de apoio ALFÖLDY, G. Historia social de Roma. Madri: Alianza Editorial, 1996. TAPAJÓS, V. Compêndio de história do Brasil para 1ª série do curso ginasial. 4. ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1960. TAUNAY, A. D.; MORAES, D. História do Brasil: 1ª a 3ª do curso colegial. 5. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1964. TAUNAY, C. A. Manual do agricultor brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. TEIXEIRA, M. P. F.; DANTAS, J. Estudos de história do Brasil. São Paulo: Moderna, 1974. TIHON, A. Numeracy and Science. In: JEFFREYS, E; HALDON, J. F.; CORMACK, R. The Oxford Handbook of Byzantine Studies. Oxford: Oxford University Press, 2008. p. 803-819. TIMBÓ, I. B. O livro didático de história: um caleidoscópio de escolhas e usos no cotidiano escolar (Ceará, 2007-2009). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009. TÖRÖK, L. Between two worlds: the frontier region between ancient Nubia and Egypt, 3700 BC AD 500. Leiden: Brill, 2009. TORRES-LONDOÑO, F. A outra família: concubinato, igreja e escândalo na colônia. São Paulo: Loyola, 1999. TROUILLOT, M. An unthinkable history: the haitian revolution non event. In: TROUILLOT, M. Silencing the past: power and production of History. Boston: Beacon Press, 1995. p. 70-107. TROUILLOT, M. Silencing the past: power and the production of History. Boston: Beacon Press, 1995. TULARD, J. Les empires occidentaux: de Rome à Berlin. Paris: Presses Universitaires de France, 1997. VALLETTE, P. Introduction. In: APULÉE. Apologie et Florides. Paris: Les Belles Lettres, 2002. p. V-XXXVIII. VASCONCELOS, I. A. de. Memória Estatística da Província do Espírito Santo escrita no ano de 1828. Transcrição do manuscrito original realizada por Fernando Achiamé. Vitória: Arquivo Público Estadual, 1978. VASQUES, M. S. Crenças funerárias e identidade cultural no Egito romano: máscaras de múmia. 2005. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. VERCOUTTER, J. Em busca do Egito esquecido. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002. VERCOUTTER, J. et al. Poblamiento del antiguo Egipto y desciframiento de la escritura meroítica. Barcelona: Serbal, 1983. WEDDERBURN, C. M. Novas bases para o ensino da história da África no Brasil. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília, 2005. p. 133-166. WHITTAKER, C. R. Africa. In: BOWMAN, A. K.; GARNSEY, P.; RATHBONE, D. (Org.). The Cambridge ancient history: the high empire. Cambridge: Cambridge University, 2000. p. 514-546. WISSENBACH, M. C. C. Sonhos africanos, vivências ladinas: escravos e forros no Município de São Paulo, 1850-1888. São Paulo: Hucitec, 1993. WOLSKA CONUS, W. Cosmas Indicopleustès, Topographie chrétienne. Tome I. Paris: Du Cerf, 1968. WOODHEAD, A. G. SEG, 24, 1246. Meroe (nunc Khartoum in Museo Historico). Epistula regis Meroae, s. Vp(?). In: CHANIOTIS, A. et al. Supplementum Epigraphicum Graecum. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018. XAVIER, M. C.; DORNELLES, A. P. L. O debate parlamentar na tramitação da Lei 10.639/2003: interrogando o papel da escola na construção da identidade cultural e étnica no Brasil. EccoS Revista Científica, v. 11, n. 2, p. 569-586, 2009. YABETA, D.; GOMES, F. dos S. Memória, cidadania e direitos de comunidades remanescentes: em torno de um documento da história dos quilombolas da Marambaia. Afro-Ásia, Salvador, v. 47, p. 79-117, 2013.por
dcterms.tableOfContentsApresentação A Lei nº 10.639 e o ensino de história da África e afro-brasileira: desafios e perspectivas A África na Antiguidade: da hominização à emergência da civilização egípcia Os impérios africanos do Mundo Antigo: Kush e Axum Diversidade cultural e romanização no norte da África romano A escravidão atlântica Escravidão e liberdade em seus sentidos no dia a dia Elementos da escravidão africana no Brasil Escravo até prove-se o contrário: petição do liberto Delfino à Câmara dos Deputados (1826) Crioulos e africanos na Província do Espírito Santo: uma região de contrastes Dos horizontes e das políticas da memória: sobre a história e o ensino da história da escravidão e da pós-emancipação no Brasil Nas trilhas da humanidade: discursos sobre o afrocentrismo em manuais escolares de história no Brasil e em Portugal A escrita sobre povos africanos e afro-brasileiros na literatura escolar de história no contexto da segunda metade do século XXpor
dc.subject.cnpqHistóriapor
schema.affiliationUniversidade Federal do Espírito Santopor
foaf.homepagewww.ufes.brpor
dc.contributor.organizerCampos, Adriana Pereira-
dc.contributor.organizerSilva, Gilvan Ventura da-
dc.contributor.organizerMotta, Kátia Sausen da-
dc.contributor.organizer-orcid0000-0002-2563-4021por
dc.contributor.organizer-orcid0000-0002-4868-6596por
dc.contributor.organizer-orcid0000-0002-7557-0599por
bibo.pageStart1por
bibo.pageEnd272por
Aparece nas coleções:EDUFES - E-Livros

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
O espelho negro de uma nação.pdf6.8 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons