Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7128
Título: Efeito da longevidade na resposta a alta pressão hidrostática de Saccharomyces cerevisiae
Autor(es): Spagnol, Brigida de Almeida Amorim
Orientador: Fernandes, Patricia Machado Bueno
Coorientador: Fernandes, Antonio Alberto Ribeiro
Data do documento: 25-Fev-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Muitos estudos mostram que existe uma forte relação entre a ativação de vias reguladoras de resposta ao estresse, longevidade e envelhecimento. Embora as causas do envelhecimento sejam multifatoriais, essas vias reguladoras se mostram surpreendentemente conservadas entre os eucariontes. Manter os mecanismos de resposta ao estresse eficientes pode ser uma estratégia potencial para prolongar a longevidade, retardar o envelhecimento e o surgimento das doenças associadas a idade. A ciência da longevidade e do envelhecimento conduz ao uso de organismos modelos como as leveduras Saccharomyces cerevisiae, pois estas células revelam também preservação das vias envolvidas com o balanço energético, acúmulo de danos, resposta ao estresse, integridade genômica, apoptose, entre outros. Diante disso, esse trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos da alta pressão hidrostática (HHP) em células-mães e células-filhas de S. cerevisiae, a fim de elucidar se a longevidade favorece a resposta ao estresse. Para isso, separaram-se células-mães de células-filhas através do método de cromatografia de afinidade, onde as células-mães tiveram sua superfície celular marcada com biotina e estreptavidina contendo microesferas magnéticas. Após isso, permitiu-se que essas células-mães gerassem célulasfilhas que nascessem sem marcação. Assim, o inoculo foi adicionado a uma coluna magnética, na qual, as células marcadas ficavam retidas e as não marcadas eluiam para um tubo de ensaio. Para indução do estresse, utilizou-se a HHP que é uma ferramenta capaz de induzir estresse oxidativo em S. cerevisiae, e isso possibilitou analisar a sobrevivência das leveduras e a expressão de genes envolvidos com resposta ao estresse, longevidade e envelhecimento. Observou-se que células-mães e filhas apresentam consideráveis diferenças desde as taxas de sobrevivência quanto aos resultados de expressão gênica. De forma que o primeiro grupo de células apresentou melhores resultados na resposta adaptativa ao estresse do que o segundo grupo. Dessa forma, podemos concluir que o estresse mostrou contribuir com a longevidade e a longevidade também mostrou ser importante para os mecanismos de respostas adaptativas mais eficazes contra os estímulos estressores.
A strong relationship between the activation of regulatory pathways in response to stress, longevity and aging has been pointed out in many studies. The causes of aging are multifactorial, affecting a series of cell mechanisms, but these regulatory pathways among eukaryotes are surprisingly well-conserved. The maintenance of an efficient stress response mechanism can be a potential strategy to extend longevity and to delay aging and the appearance of age-associated diseases. In research addressing longevity and aging, model organisms such as the yeast Saccharomyces cerevisiae are being used, since the pathways involved in energy balance, damage accumulation, stress response, genomic integrity, apoptosis, and other mechanisms are also preserved in these cells. Thus, the purpose of this study was to evaluate the effects of high hydrostatic pressure (HHP) on mother and daughter cells of S. cerevisiae, to investigate whether longevity favors stress response. To achieve these goals mother cells and daughter cell were separated through of affinity chromatography method, where mother cells had their cell surface marked with biotin and streptavidin containing magnetics microbeads. After that, it was allowed that the mother cells could generate unlabeled daughter cells. Thus, the inoculum was added to a magnetic column where the labeled cells were retained and the unlabeled eluted into a test-tube. To cause stress was used the HHP that is a useful tool to induce oxidative stress in S. cerevisiae, making it possible to analyze yeast survival and gene expression involved in stress response, longevity and aging. We observed huge differences of the mother and daughter cells, between survival rates as well as between the results of gene expression. So that the first group of cells produced better results in the adaptative response to stress than the second group. It was therefore concluded that stress contributes to longevity, and longevity in turn proved important for the most effective adaptive response mechanisms to stress stimuli.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7128
Aparece nas coleções:PPGBIO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_9875_Dissertação_Brígida de Almeida Amorim Spagnol.PDF76 BAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.