Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7875
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorBittencourt, Ana Paula Santana de Vasconcellos-
dc.date.accessioned2018-08-01T22:57:55Z-
dc.date.available2018-08-01-
dc.date.available2018-08-01T22:57:55Z-
dc.identifier.citationLIMA, Randriely Merscher Sobreira de. Avaliação dos efeitos neuroquímicos e comportamentais do enriquecimento ambiental em animais submetidos a privação maternal. 2017. 109 f. Dissertação (Mestrado em Bioquímica e Farmacologia) - Programa de Pós-Graduação em Bioquímica e Farmacologia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/7875-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleAvaliação dos efeitos neuroquímicos e comportamentais do enriquecimento ambiental em animais submetidos a privação maternalpor
dc.typemasterThesiseng
dc.subject.udc61-
dc.subject.br-rjbnPrivação dos paispor
dc.subject.br-rjbnAnsiedadepor
dc.subject.br-rjbnSerotoninapor
dcterms.abstractA relação entre mãe e filhote apresenta um papel de extrema importância para mamíferos, dado a importância do cuidado e da aproximação materna nos primeiros dias de vida. Eventos traumáticos nesse período podem prejudicar o desenvolvimento fisiológico e psicológico dos filhotes, podendo causar alterações em curto e longo prazo. A privação maternal (PM) é um protocolo bem estabelecido e utilizado para investigar alterações tanto neurobiológicas quanto comportamentais, como os transtornos de ansiedade. Ao mesmo tempo, vem sendo demonstrado que protocolos de enriquecimento ambiental (EA) promovem numerosos benefícios sensoriais, motores e cognitivos em animais de laboratório, podendo ser utilizado na tentativa de intervir em alterações provocadas por eventos adversos pós-natais e prevenir a ocorrência de transtornos psiquiátricos na idade adulta. Nesse contexto, buscamos avaliar as implicações do enriquecimento ambiental como estratégia para prevenção dos efeitos provocados pela privação maternal sobre comportamentos de ansiedade e sobre a expressão gênica de componentes do sistema serotoninérgico. Para tanto, ratos Wistar machos foram privados da presença materna durante dois períodos de 24 horas, nos dias pós-natal (DPN) 11 e 13. Os animais não privados foram mantidos sob mínimas condições de manipulação. Após o desmame, no DPN 21, esses animais foram submetidos ao enriquecimento ambiental ou a condições padrão de alojamento, assim permanecendo até o início da idade adulta. No DPN 60 foram iniciados os testes comportamentais de ansiedade, sendo eles: labirinto em T elevado (LTE), campo aberto (CA), teste de odor de predador (TOP); e teste de memória aversiva, o teste de esquiva inibitória. Ao final dos testes comportamentais, os animais foram eutanasiados para obtenção das estruturas amígdala e núcleo dorsal da rafe. A expressão de mRNA dos componentes do sistema serotoninérgico: 5-HT1A, 5-HT2A, 5-HT2C, SERT e TPH2, foram avaliados em ambas as estruturas. Observamos no LTE que a PM aumentou o tempo de esquiva 1, enquanto o enriquecimento aumentou o tempo de esquiva 2, sem alterações relacionadas a fuga. A PM não provocou mudanças no CA, mas o EA diminuiu a atividade locomotora em todos os parâmetros avaliados. A PM também não provocou alterações no TOP, entretanto o EA causou diminuição do tempo no compartimento escondido e aumento do tempo de investigação da fonte do odor. Nenhuma das condições provocou alteração no teste de esquiva inibitória. Além disso, nem a PM, nem o EA provocaram alterações na expressão de mRNA de componentes do sistema serotoninérgico na amígdala e no núcleo dorsal da rafe. Podemos concluir que ambas as condições provocam efeitos ansiogênicos sem alterar a memória aversiva, mas apenas o EA altera a resposta a novos ambientes e contextos, e apesar do notório envolvimento da rafe dorsal e da amígdala com a ansiedade, a neurotransmissão serotoninérgica nestas estruturas não é alterada pela privação maternal e pelo enriquecimento ambiental. Palavras-chave: Privação maternal. Ansiedade. Enriquecimento ambiental. Sistema serotoninérgico.por
dcterms.abstractThe relationship between mother and its pups is extremely important for mammals, given the importance of maternal care and attachment in the first days of life. Traumatic events during this period may impair physiological and psychological development, potentially causing short- and long-term changes. Maternal deprivation (MD) is a well-established protocol used to investigate both neurobiological and behavioral changes such as anxiety disorders. It has been demonstrated that environmental enrichment (EE) protocols promote numerous sensory, motor, and cognitive benefits in laboratory animals, and may be used to intervene in changes caused by postnatal adverse events and to prevent the occurrence of psychiatric disorders in adulthood. In this context, we evaluated the implications of EE as a strategy to prevent the maternal deprivation effects on anxiety behaviors and gene expression of the serotonergic system components.eng
dcterms.creatorLima, Randriely Merscher Sobreira de-
dcterms.formattexteng
dcterms.issued2017-07-14-
dcterms.languageporeng
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Bioquímica e Farmacologiapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqFarmacologia Bioquímica e Molecularpor
dc.publisher.courseMestrado em Bioquímica e Farmacologiapor
dc.contributor.refereeSantos, Jeyce Willig Quintino dos-
dc.contributor.refereeHarres, Vanessa Beijamini-
dc.contributor.refereeBortoli, Valquíria Camin de-
dc.contributor.advisor-coBittencourt, Athelson Stefanon-
Aparece nas coleções:PPGBF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_10932_030 - Dissertação Final - Randriely Merscher Sobreira de Lima.pdf1.38 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.